Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Miniarte comemora 15 anos e reúne artistas de vários países

Clara Pechansky

A artista gaúcha Clara Pechansky criou o projeto em 2003 e mesmo sozinha, não parou mais, coordenando as edições da Miniarte em todo mundo a partir dos contatos feitos através da internet com artistas renomados, como o colombiano Maurício Mayorga, que será convidado de honra em uma das exposições deste ano. “Não tenho equipe, sou sozinha para criar e organizar tudo. Tenho alguma assessoria em locais fora de Porto Alegre, sempre de colegas artistas visuais, que se encarregam de conseguir espaços de exposição”, conta a artista, explicando que os parceiros recebem as obras e fazem a montagem segundo as possibilidades de cada espaço.

“Essas assessorias tornam possível a montagem das exposições em qualquer país, já que as obras viajam (são pequenas, medem 18x18cm e não têm moldura ou bastidor). Meus contatos são sempre em Inglês ou espanhol, além, óbvio, do português”, conta Clara Pechansky.

O Projeto Miniarte Internacional foi idealizado por ela visando o intercâmbio de obras de arte em pequenos formatos por artistas de vários países. A primeira edição foi realizada em Porto Alegre, cidade onde ela vive e trabalha, no Centro Cultural Usina do Gasômetro, chancelada pela Prefeitura do município, e já compreendeu mais de 100 artistas, que formaram a Coleção A da Miniarte. “A partir daí, as edições foram se sucedendo, sempre com mais de uma centena de participantes, e com a coordenação voluntária de artistas locais, abrangendo diferentes países e espaços, e gerando novas coleções”, explica. Atualmente a Miniarte está na Coleção L (Miniarte Ilusão, que será inaugurada no dia 2 de junho em Gramado – RS), ou seja, já são 12 coleções.

Clara Pechansky não recebe nenhum tipo de apoio financeiro para custear seu projeto. Segundo ela, a Miniarte, a cada edição, recebe inscrições, tanto do Brasil quanto do exterior e não há qualquer tipo de seleção, basta apenas ter 18 anos. Os espaços são cedidos por galerias comerciais, espaços públicos ou museus. “A Miniarte não tem como pagar aluguel de espaço”, revela.

 Coleções do Miniarte viaja o mundo

A organizadora conta que as exposições Miniarte não têm objetivo de venda. Os artistas doam suas obras pagando somente uma vez a inscrição. A coleção pode viajar para vários lugares, e o artista acrescenta mais linhas no seu currículo a cada nova edição. “Tenho coleções inteiras doadas para alguns parceiros como Associação Chico Lisboa, OMAI México e Fundación MAI COLOMBIA INTERNACIONAL”, conta ela.

Em 2018 serão realizadas duas exposições. A primeira em Gramado, de 2 a 30 de junho, e depois em Porto Alegre (Gravura Galeria) de 5 de setembro a 1º de outubro.

No 31º e 32º Intercâmbio Internacional de Miniarte Ilusão/Ilusión 2018, uma exposição “regular” da Miniarte, os artistas pagaram inscrição e doaram suas obras 18x18cm, sabendo que esta coleção irá viajar para vários países. Além de artistas do Brasil, o evento receberá representantes da Argentina, Chile, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, México e Venezuela.

“Em comemoração aos 15 anos do Projeto Miniarte Internacional, foram convidados 60 artistas entre brasileiros, argentinos, chilenos, colombianos, mexicanos e venezuelanos para enviar obras, além das 18x18cm, telas de 40x40cm, pintadas em acrílica ou óleo, que estarão à venda, comercializadas pela Gravura”, finaliza a artista e organizadora do projeto.

Fonte: AM3 Conteúdo

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *