Vacina russa contra covid-19 será testada na Venezuela

País recebe carregamento com Sputnik V. Testes começam ainda neste mês
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Arquivo)

A Venezuela recebeu nesta sexta-feira (02/10) um carregamento da vacina russa contra a covid-19, batizada de Sputnik V, para participar dos testes clínicos da imunização. A entrega foi a primeira desta vacina feita na América Latina.

“Essa cooperação foi resultado do contato permanente, das reuniões e da estreita cooperação existente entre a Venezuela e a Rússia”, afirmou a vice-presidente venezuelana, Delcy Rodriguez, ao anunciar a chegada do carregamento ao país.

Segundo o ministro da Saúde venezuelano, Carlos Alvarado, 2 mil pessoas participaram dos testes que começa neste mês em Caracas. “Assim que terminar a fase 3, tanto na Rússia, quanto na Venezuela, se iniciará o processo de produção em massa da vacina”, disse.

Em 11 de agosto, a Rússia se tornou o primeiro país do mundo a aprovar uma vacina contra a covid-19, mesmo antes da publicação de dados sobre a imunização e sem a conclusão de todas as fases de estudo, que inclui um teste em grande escala. Muitos cientistas no país e no exterior levantaram dúvidas sobre a segurança e eficácia da imunização.

A vacina recebeu o nome de Sputnik V em homenagem ao primeiro satélite do mundo, lançado pela União Soviética em outubro de 1957. Especialistas ocidentais alertaram contra seu uso até que tenham sido tomadas as medidas regulatórias e o produto tenha passado pelos testes aprovados internacionalmente.

Atualmente, testes da fase 3, o último da etapa de desenvolvimento de vacinas, estão sendo realizados na Rússia e contam com mais de 40 mil voluntários. Em agosto, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, já tinha dito que o país pretendia participar dos testes e que também deseja produzir a imunização, apesar da grave crise econômica que enfrenta.

Além da Venezuela, as Filipinas e o Paraná, no Brasil, mostraram interesse em testar e produzir a vacina.

Segundo dados oficiais, foram registrados 76.029 casos de covid-19 na Venezuela e 635 mortes. A oposição e organizações de direitos humanos, porém, contestam os dados e afirmam que o governo está escondendo uma situação muito pior.

A Rússia tem sido o principal aliado de Maduro diante da pressão internacional, liderada pelos Estados Unidos, para retirá-lo do poder desde a última eleição presidencial em 2018, que foi marcada por acusações de fraude e intimidação. Em 2019, Brasil, EUA e dezenas de outros países reconheceram Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, como líder do país.

CN/rtr/afp

Por Deutsche Welle

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas