Mundo

Ataque russo a hospital infantil na Ucrânia é condenado por líderes mundiais

Série de bombardeios russos deixa mais de 30 mortos

Uma série de bombardeios russos na Ucrânia deixou nesta segunda-feira (08/07) ao menos 36 mortos em vários pontos do país e atingiu dois hospitais, um deles especializado no atendimento de crianças, provocando condenação internacional, na véspera de uma cúpula da Otan.

Vítimas feridas dentro do hospital infantil na Ucrânia (Rede Social/via Fotos Públicas)

Nesta terça-feira, o Conselho de Segurança da ONU se reúne para discutir os ataques, que atingiram o hospital pediátrico Okhmatdyt de Kiev. A reunião foi solicitada pela França e pelo Equador, convocação que foi imediatamente apoiada pelo Reino Unido e pelos EUA.

A embaixadora do Reino Unido na ONU, Barbara Woodward, que esteve no hospital no início deste ano, chamou o bombardeio de “covarde e depravado” e prometeu, citando seu secretário de Relações Exteriores, David Lammy, que os responsáveis por essa guerra deverão responder por suas ações, escreveu na rede social X.

A missão diplomática dos EUA disse que este foi “outro ataque selvagem com mísseis contra civis na Ucrânia” e que o presidente russo, Vladimir Putin, “deve pôr fim a essa guerra de agressão inconcebível“.

Siga nosso canal no Whatsapp

Rússia culpa defesa antiaérea ucraniana

Fachada do hospital infantil atingido por bombardeio russo na Ucrânia (Rede Social/via Fotos Públicas)

Antecipando o que pode ser ouvido no Conselho de Segurança na terça-feira, a missão russa na ONU publicou a versão dos eventos do Ministério da Defesa russo, que atribui as baixas civis nos ataques desta segunda-feira às defesas antiaéreas ucranianas, de acordo com “inúmeras fotografias e gravações de Kiev”.

A pasta acrescentou que “os supostos ataques intencionais a prédios civis das Forças Armadas russas são falsos”.

O ataque maciço de mísseis russos na segunda-feira afetou, além da capital ucraniana, as cidades de Dnipro e Krivi Rig, de onde é natural o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski.

O ataque ocorre pouco antes da cúpula da Otan deste ano, a partir desta terça-feira em Washington, que novamente se concentrará em como os países membros podem continuar a ajudar militarmente a Ucrânia.

Condenação internacional

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou os ataques russos, que qualificou de “particularmente chocantes”.

“Realizar ataques contra civis é proibido pelo direito internacional, e esse tipo de ataque é inaceitável e deve cessar imediatamente”, disse o chefe da ONU, em comunicado.

Em Bruxelas, o chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, criticou que a Rússia continue a atacar alvos civis ucranianos. “A Rússia continua a colocar implacavelmente como alvo os civis ucranianos. Os ataques aéreos de hoje mataram ou feriram dezenas, e destruíram o maior hospital infantil de Kiev, Okhmatdyt”, escreveu Borrell na rede social X. Ele ressaltou que “todos os responsáveis pelos crimes de guerra russos terão que prestar contas”.

Um dos primeiros a condenar os ataques foi o novo primeiro-ministro britânico, Keir Starmer, afirmando que “atacar crianças inocentes” é “a mais doentia das ações”.

“Nós apoiamos a Ucrânia contra a agressão russa; o nosso apoio não diminuirá”, ressaltou Starmer.

Os ministérios das Relações Exteriores da França e da Alemanha também expressaram sua condenação pelos ataques. 

“Os atos bárbaros, dirigidos deliberadamente contra um hospital infantil, deveriam ser adicionados à lista de crimes de guerra pelos quais a Rússia terá que responder”, afirmou a diplomacia francesa.

md/le (AFP, Lusa)

5 1 vote
Avaliar artigo
Se inscrever
Notificar de
Os comentários são de responsabilidades de seus autores e não representa a opinião deste site.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais artigos desta categoria

Botão Voltar ao topo
0
Está gostando do conteúdo? Comente!x
Fechar

Bloqueador de anúncios

Não bloqueie os anúncios