Caminhoneiros que transportam combustível protestam no Rio e em Minas

Protesto é contra preço dos combustíveis e do frete
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Protesto na porta de uma distribuidora em Betim, na Grande Belo Horizonte (Estado de Minas/Reprodução)

O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e de Lojas de Conveniência do Município do Rio de Janeiro (Sindcomb) informou hoje (21) que acompanha o movimento de tanqueiros nas bases de abastecimento de Campos Elíseos, na Baixada Fluminense. Os tanqueiros fazem manifestação contra o preço dos combustíveis e do frete. Bases de Campos Elíseos foram fechadas para evitar tumultos.

O Sindcom informou que caminhões-tanque estão conseguindo entrar nas bases de distribuição, escoltados pela Polícia Militar, para fazer, exclusivamente, o carregamento das empresas de ônibus da cidade. A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informou “que policiais militares do 15ºBPM (Duque de Caxias) acompanham uma manifestação em Campos Elíseos”.

De acordo com a secretaria, até o momento, “o ato ocorre de forma pacífica, não há registro de prisão ou apreensão”.

“Os postos revendedores do Rio seguem aguardando a normalização das entregas para poder atender a sua clientela até o fim de semana”, informou o Sindcomb, em nota.

Segundo o sindicato, no local operam as principais distribuidoras de combustíveis como a Vibra, a Raízen, uma joint venture criada a partir da união de parte dos negócios da Shell e da Cosan, e a Ipiranga, do Grupo Ultra.

Hoje à tarde, o sindicato vai fazer uma avaliação do movimento que começou nas primeiras horas desta quinta-feira. No final do dia, fará um balanço dos reflexos da suspensão das operações. Conforme o Sindcomb, os estoques nos postos já estão baixos, esperando as entregas previstas para hoje. Caso a entrada dos caminhões não seja liberada ainda hoje, é possível que tenham problemas de abastecimento de combustíveis para fazer os estoques de fim de semana.

Os postos costumam trabalhar com estoques ajustados à demanda, por isso, não têm reservas extras. Normalmente, os pedidos às distribuidoras são feitos nas quintas e sextas-feiras para o fim de semana. A expectativa do sindicado é que a abertura das bases de abastecimento seja feita nesta tarde.

Segundo o G1, o movimento também atinge caminhoneiros que transportam combustíveis em Minas Gerais.

A Petrobras informou “que não há impacto às operações da companhia, em suas unidades operacionais”. A Agência Brasil tentou contato com a direção do sindicato da categoria de tanqueiros no Rio, mas não obteve resposta até agora.

*Com Agência Brasil

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas