Deltan deu palestra e recebeu de empresa citada na Lava Jato

Revelações são da Folha de S.Paulo e do The Intercept.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Cópia do recibo entregue por Deltan Dallagnol à Neoway pelo pagamento da palestra (Folha de S.Paulo e The Intercept/Reprodução)

O procurador Deltan Dallagnol recebeu R$ 33 mil para dar uma palestra na empresa Neoway, investigada por corrupção pela Lava Jato. A Neoway é uma companhia de tecnologia e aparece em uma delação que tem como personagem Cândido Vaccarezza, ex-líder de governos petistas na Câmara que foi preso em 2017, e em negociatas na BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras privatizada na terça-feira (23).

Segundo reportagem publicada pelo jornal Folha de S. Paulo e pelo The Intercept Brasil, a relação não ficou só na palestra, que ocorreu em março de 2018. “Deltan também aproximou a Neoway de outros procuradores com a intenção de comprar produtos para uso da Lava Jato. Ele chegou a gravar um vídeo para a empresa, enaltecendo o uso de produtos de tecnologia em investigações – a Neoway vende softwares de análise de dados”, cita o texto da matéria.

“Quando finalmente percebeu que havia recebido dinheiro e feito propaganda grátis para uma empresa investigada pela operação que comanda no Paraná, o procurador confessou a colegas: “Isso é um pepino para mim”. Mas só escreveu à corregedoria do Ministério Público Federal para prestar “informações sobre declaração de suspeição por motivo de foro íntimo” quase um ano depois, quando o processo foi desmembrado no STF e uma parte foi remetida à Lava Jato de Curitiba”, diz a publicação.

A reportagem completa com os diálogos está aqui.


Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas