Como administrar bem o seu vale-refeição

52% dos consumidores extrapolam o saldo do benefício antes de terminar o mês. Orientações ajudam a gerenciar recursos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A dificuldade na administração está relacionada aos hábitos de consumo, como avalia o educador financeiro da SPC Brasil no estudo, José Vasignoli. Outro dado da pesquisa revela que 33% dos entrevistados usam o recurso com outras finalidades além do almoço.

A proposta do vale-refeição é cobrir as despesas do trabalhador com refeições durante o seu horário de trabalho. Mas além de restaurantes, o cartão do benefício pode ser aceito em outros estabelecimentos, como padarias e lanchonetes.

Vasignoli destaca que isso não é um problema, desde que o consumidor administre bem os recursos. No entanto, o levantamento identificou que 12% dos entrevistados não fazem qualquer tipo de controle dos benefícios que recebem, seja o vale-refeição ou o vale-alimentação.

Dicas para gerenciar os recursos

O primeiro passo para planejar como gastar é saber quanto se tem. Por isso, a orientação do SPC Brasil é ter atenção ao saldo do benefício. Essa medida é simples, por meio do aplicativo de celular é possível consultar o valor com periodicidade.

Sabendo o recurso total disponível, Vasignoli sugere estipular um limite diário para os gastos. Para isso, basta dividir o valor total pela quantidade de dias que o benefício será usado. E é nessa etapa que o trabalhador deve pensar como pretende usar o recurso.

Para ajudar a economizar, Vasignoli dá algumas dicas como pesquisar preços na hora de escolher o restaurante, buscar programas de fidelidade que garantam descontos ou gratuidade em alguma refeição e ficar atento aos “gastos extras”, como bebida e doces na hora do almoço.

Vender vale-refeição é ilegal

O estudo do SPC Brasil em parceria com a CNDL apontou, ainda, que 39% dos trabalhadores vendem o vale-refeição. Deste grupo, quatro em cada dez o fazem para poder pagar outras contas. No entanto, a prática é ilegal e pode acarretar em demissão por justa causa.

De acordo com o SPC Brasil, a venda também significa perda financeira, tendo em vista que os compradores costumam cobrar um percentual e, por isso, o valor recebido acaba sendo menor do que o saldo disponível para uso.

Desta forma, a orientação é que os trabalhadores busquem administrar o vale-refeição de maneira correta para que o benefício se torne um aliado no planejamento financeiro.

O vale-refeição pode representar uma boa ajuda no orçamento. No entanto, ainda há muitos trabalhadores que têm dificuldades em administrar o benefício. Pesquisa mais recente realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) sobre o tema mostrou que 52% dos consumidores que recebem o recurso extrapolam o valor antes de o mês terminar.

A dificuldade na administração está relacionada aos hábitos de consumo, como avalia o educador financeiro da SPC Brasil no estudo, José Vasignoli. Outro dado da pesquisa revela que 33% dos entrevistados usam o recurso com outras finalidades além do almoço.

A proposta do vale-refeição é cobrir as despesas do trabalhador com refeições durante o seu horário de trabalho. Mas além de restaurantes, o cartão do benefício pode ser aceito em outros estabelecimentos, como padarias e lanchonetes.

Vasignoli destaca que isso não é um problema, desde que o consumidor administre bem os recursos. No entanto, o levantamento identificou que 12% dos entrevistados não fazem qualquer tipo de controle dos benefícios que recebem, seja o vale-refeição ou o vale-alimentação.

Dicas para gerenciar os recursos

O primeiro passo para planejar como gastar é saber quanto se tem. Por isso, a orientação do SPC Brasil é ter atenção ao saldo do benefício. Essa medida é simples, por meio do aplicativo de celular é possível consultar o valor com periodicidade.

Sabendo o recurso total disponível, Vasignoli sugere estipular um limite diário para os gastos. Para isso, basta dividir o valor total pela quantidade de dias que o benefício será usado. E é nessa etapa que o trabalhador deve pensar como pretende usar o recurso.

Para ajudar a economizar, Vasignoli dá algumas dicas como pesquisar preços na hora de escolher o restaurante, buscar programas de fidelidade que garantam descontos ou gratuidade em alguma refeição e ficar atento aos “gastos extras”, como bebida e doces na hora do almoço.

Vender vale-refeição é ilegal

O estudo do SPC Brasil em parceria com a CNDL apontou, ainda, que 39% dos trabalhadores vendem o vale-refeição. Deste grupo, quatro em cada dez o fazem para poder pagar outras contas. No entanto, a prática é ilegal e pode acarretar em demissão por justa causa.

De acordo com o SPC Brasil, a venda também significa perda financeira, tendo em vista que os compradores costumam cobrar um percentual e, por isso, o valor recebido acaba sendo menor do que o saldo disponível para uso.

Desta forma, a orientação é que os trabalhadores busquem administrar o vale-refeição de maneira correta para que o benefício se torne um aliado no planejamento financeiro.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas