Frente dos Prefeitos diz que não é hora de falar de armas e que prioridade tem que ser a vacinação

Para prefeitos, prioridade tem que ser a vacinação em massa
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A Frente Nacional dos Prefeitos publicou, nesta terça-feira (16), nota cobrando o Governo Federal pela escassez de vacinas contra a Covid-19 nos municípios. “Que o Brasil não soube lidar com a pandemia, não restam dúvidas, mas, prefeitas e prefeitos, que sempre solicitaram e incentivaram a organização nacional, agora exigem respostas”, diz o texto.

Segundo a FNP, “equívocos do Governo Federal” estão diretamente ligados com a falta de doses do imunizante em cidades de todo o Brasil. Ainda, a entidade afirma que o ministro da Saúde Eduardo Pazuello não cumpriu acordo de se reunir com prefeitos a cada 10 dias para acompanhas a evolução da imunização no país.

O órgão ainda criticou a atenção dada, por parte do Governo Federal, à decretos que alteram a regulação sobre o uso de armas no Brasil. “Não é momento para discutir e avançar com a pauta de costumes ou regramento sobre aquisição de armas e munições. Isso é um desrespeito com a história dos mais de 239 mil mortos e uma grave desconsideração com a população. Prefeitas e prefeitos reafirmam que a prioridade do país precisa ser, de forma inequívoca, a vacinação em massa”, finaliza o texto.

Os decretos, publicados no fim da noite da última sexta (12) ampliam o número de armas que colecionadores e caçadores podem adquirir. Essas categorias também passam a ter mais a acesso a munições. Pelas novas regras, Exército e Policia Federal, que antes desempenhavam papeis de controle sobre laudos psicológicos exigidos e quantidade de compra de armamento, foram excluídos das funções.

Confira a íntegra da nota da Frente Nacional dos Prefeitos:

Os sucessivos equívocos do governo federal na coordenação do enfrentamento à COVID-19, e também na condução do Plano Nacional de Imunizações, estão diretamente ligados à escassez e à falta de doses de vacinas em cidades de todo o país. Que o Brasil não soube lidar com a pandemia, não restam dúvidas, mas, prefeitas e prefeitos, que sempre solicitaram e incentivaram a organização nacional, agora exigem respostas.

É urgente que o país tenha um cronograma com prazos e metas estipulados para a vacinação de cada grupo: por faixa etária, doentes crônicos, categorias de profissionais etc. Disso depende, inclusive, a retomada da economia, a geração de emprego e renda da população.

A Frente Nacional de Prefeitos (FNP) solicitou, no dia 14 de janeiro, em reunião entre o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e mais de 130 governantes das médias e grandes cidades do país, encontros para o acompanhamento das imunizações no país. Na ocasião, ficou acordado que a cada 10 dias o ministro se reuniria com a comissão de prefeitos. Desde então, passados mais de 30 dias, nenhum agendamento foi feito.

Por isso, a FNP reitera que não é momento para discutir e avançar com a pauta de costumes ou regramento sobre aquisição de armas e munições. Isso é um desrespeito com a história dos mais de 239 mil mortos e uma grave desconsideração com a população. Prefeitas e prefeitos reafirmam que a prioridade do país precisa ser, de forma inequívoca, a vacinação em massa.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas