Funai confirma morte de crianças indígenas

Causas ainda são investigadas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Embarcações paradas às margens do rio (Cimi Regional Norte I/Reprodução)


A Fundação Nacional do Índio (Funai) confirmou hoje (10) a morte de cinco crianças na região da Terra Indígena Vale do Javari, no Amazonas. De acordo com o órgão, uma das mortes aconteceu no porto do Rio Javari, na cidade de Atalaia do Norte, e as outras no percurso das comunidades até o local, “em circunstâncias não relatadas”.

Em nota, o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) informou que indígenas ficam em canoas ancoradas em local insalubre e consumindo água diretamente do rio. De acordo com a organização não governamental, que recebeu informações do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) do Vale do Javari, já seriam seis crianças mortas.

Segundo o Cimi, na orla da cidade estão ancoradas mais de 20 canoas, cada uma com mais de dez pessoas que ficam ali abrigadas à espera de pagamentos de benefícios sociais, como da Previdência e Bolsa Família.

A Funai destacou que está atenta aos fatos ocorridos, mas que nem todos os recentes óbitos de crianças indígenas estão exatamente ligados ao deslocamento de indígenas até a cidade de Atalaia do Norte e à permanência na região. “A respeito da constância do grupo às margens do Rio Javari, a Fundação está apoiando e monitorando as medidas necessárias para o retorno desses indígenas às suas respectivas comunidades. Vale lembrar que a ida desses povos até a sede do município amazonense é um fato recorrente resultado de um processo socioeconômico”, diz a nota.

A reportagem entrou em contato com o Ministério da Saúde, responsável pelo Dsei, e aguarda retorno. Os Dseis são unidades descentralizadas do Sistema Único de Saúde (SUS) de atendimento a comunidades indígenas.

Por  Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas