Já são 6 as mortes suspeitas de ligação com cerveja contaminada

Apenas uma morte foi confirmada até agora por contaminação da cerveja.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) divulgou hoje (3) boletim atualizando para seis o número de mortos que podem ter se intoxicado por dietilenoglicol. A suspeita é de que as vítimas tenham ingerido a substância ao consumir cervejas da marca Backer.

Até sexta-feira (31), quando foi divulgado o último boletim, quatro mortes estavam confirmadas. Das duas novas vítimas, apenas uma teve a identidade revelada. Trata-se do juiz João Roberto Borges, de 74 anos, cujo falecimento já havia sido informado oficialmente nesta manhã pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MG), onde ele trabalhava.

Por enquanto, só houve confirmação laboratorial da intoxicação por dietilenoglicol em uma morte: a vítima era um homem que morreu em 7 de janeiro. Os outros casos que resultaram em óbito ainda estão sendo examinados e são tratados oficialmente como suspeitos. No entanto, todos estão associados a sinais e sintomas compatíveis com o quadro de intoxicação por dietilenoglicol. Além dos seis casos que resultaram em mortes, há 21 suspeitos e três com confirmação laboratorial. São 30 casos ao todo, dos quais 26 em pacientes do sexo masculino e quatro do sexo feminino.

As ocorrências ganharam notoriedade na primeira semana de janeiro, quando houve uma busca por serviço médico de pacientes relatando náusea, vômito e dor abdominal. Em alguns casos, houve rápida evolução para um quadro de insuficiência renal e alterações neurológicas, como paralisia facial e borramento visual.

Nas redes sociais de moradores de Belo Horizonte, começaram a circular mensagens associando o problema de saúde ao consumo da cerveja Belorizontina, um dos rótulos produzidos pela Backer. A empresa chegou a afirmar que se tratava de informação inverídica e ameaçou entrar com ação judicial contra os responsáveis por sua disseminação. No entanto, em 9 de janeiro, a Polícia Civil encontrou amostras de dietilenoglicol em dois lotes da Belorizontina. Quatro dias depois, foi identificado o terceiro lote contaminado.

A Backer nega o uso da substância em sua produção e diz que colabora com as investigações. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, já se confirmou a contaminação em 41 lotes de 10 rótulos distintos da cervejaria. A pasta interditou preventivamente a fábrica em 10 de janeiro. A comercialização de todos os produtos da Backer está suspensa.

O dietilenoglicol costuma ser usado em sistemas de refrigeração, devido a suas propriedades anticongelantes. Sua toxidade é conhecida desde 1937, quando foi incluído na fórmula de um xarope e levou mais de 100 pessoas à morte nos Estados Unidos. O químico responsável pelo produto, Harold Watkins, acabou se suicidando. O episódio acabou contribuindo para que a Congresso norte-americano aprovasse uma lei dando autoridade para a Food and Drug Administration (FDA) fiscalizar de forma mais rígida os processos de produção de alimentos, medicamentos e cosméticos.

Casos de intoxicação já foram relatados em outros países, como África do Sul, China, Espanha e Nigéria. Este último registrou o episódio mais recente: em 2008 o dietilenoglicol matou 84 crianças nigerianas. As investigações revelaram que todas elas consumiram um medicamento chamado My Pikin Baby, contaminado com a substância.

Por  Léo Rodrigues – Repórter da Agência Brasil 

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas