Trecho de MP sobre pedidos de acesso à informação é suspenso

A decisão não é definitiva, já que cabe recurso ao próprio STF.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Um trecho da Medida Provisória (MP) que suspendeu prazos de resposta de pedidos de acesso à informação nos órgãos públicos foi suspenso pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A suspensão atende a pedido feito pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que teme comprometimento da transparência.

A decisão não é definitiva, já que cabe recurso ao próprio STF.

Segundo o ministro, a Constituição Federal de 1988 consagrou expressamente o princípio da publicidade como um dos vetores imprescindíveis à Administração Pública, conferindo-lhe absoluta prioridade na gestão administrativa e garantindo pleno acesso às informações a toda a sociedade.

Assim, de acordo com o ministro Alexandre de Moraes, o Estado é obrigado a fornecer as informações solicitadas, sob pena de responsabilização política, civil e criminal, salvo nas hipóteses constitucionais de sigilo. “A publicidade específica de determinada informação somente poderá ser excepcionada quando o interesse público assim determinar”, afirmou.

O relator ponderou que o dispositivo questionado não estabelece situações excepcionais e concretas impeditivas de acesso a informação. “Pelo contrário, transforma a regra constitucional de publicidade e transparência em exceção, invertendo a finalidade da proteção constitucional ao livre acesso de informações a toda sociedade”, reiterou.

*Com informações do STF e da Reuters via Agência Brasil

 

 

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas