Lei que protege entregadores é sancionada

Lei foi proposta pelo deputado Ivan Valente (PSOL-SP)

A Presidência da República sancionou, na última quarta-feira (5), a Lei 14.297, de 2022, que reforça as medidas de proteção aos entregadores de aplicativos. Originado do PL 1.665/2020, do deputado Ivan Valente (Psol-SP), e aprovado em dezembro pelo Senado, com relatório favorável do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o texto sofreu dois vetos.

Por manifestação do Ministério da Economia, foi vetado dispositivo que previa fornecimento de alimentação aos entregadores pelas empresas de aplicativos de entrega, no âmbito dos programas de alimentação do trabalhador.

Segundo o ministério, como esses programas permitem dedução do lucro tributável das empresas, ficaria caracterizada renúncia de receita, sem que tenha havido estimativa e compensação do impacto financeiro, contrariando a Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar 101, de 2000) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (Lei 14.116, de 2020).

(Roberto Parizotti/Fotos Públicas)

O Ministério do Trabalho instruiu vetos a dois dispositivos que atribuíam às empresas a responsabilidade de prevenir o contato físico entre entregador e consumidor ou recebedor da entrega. Segundo a pasta, as empresas não têm domínio sobre essa etapa do processo, não podendo, assim, ser responsabilizadas.

O Congresso tem 30 dias para apreciar o veto, a contar do protocolo do recebimento da mensagem e do início da sessão legislativa. Decorrido esse prazo sem deliberação, ela é incluída na ordem do dia e passa a trancar as demais deliberações. Para a derrubada do veto é necessária a maioria absoluta, ou seja, 257 votos de deputados e 41 votos de senadores, computados separadamente.

Seguro

Ivan Valente, homem de pele branca, cabelos brancos, usa óculos e máscara de proteção enquanto discursa em tribuna da Câmara dos Deputados.
Ivan Valente, deputado Federal (PSOL-SP), autor da lei que protege entregadores
(Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados)

Uma das medidas previstas na nova lei é a determinação de que a empresa de aplicativo de entrega contrate seguro, sem franquia, em benefício do entregador, para cobrir acidentes ocorridos exclusivamente durante o período de retirada e entrega de produtos.

empresa também deve pagar ao entregador afastado por Covid-19 uma ajuda financeira, durante 15 dias, equivalente à média dos três últimos pagamentos mensais recebidos pelo entregador. Para comprovar a contaminação, o trabalhador tem que apresentar o resultado positivo no teste RT-PCR ou laudo médico atestando o afastamento. A ajuda pode ser prorrogada por mais dois períodos de 15 dias.

Entretanto, segundo o SindimotoSP, o projeto “é apenas mais um instrumento a fim de prejudicar a categoria, pois inúmeras discussões estão em andamento sobre o vínculo trabalhista entre os Motoboys e as empresas de aplicativos”.

Em nota divulgada pelo sindicato, o presidente do SindimotoSP “Gil dos Motoboys” disse que a lei “cria subterfúgios para as empresas não admitirem todas as suas responsabilidades referentes aos trabalhadores. A categoria não pode depender de pequenos auxílios e penduricalhos, esperamos valorização e direitos completos”.

Por TV Cultura

Você usa o Telegram?

Entre em nosso canal no Telegram e receba nossas atualizações de notícias direto no seu celular. Basta clicar aqui

Compartilhe notícia

Artigos Relacionados

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.