Morre Ubirany, um dos criadores do Fundo de Quintal

Sambista tinha 80 anos e foi vítima de complicações provocadas pela Covid-19
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Zeca Pagodinho publicou uma homenagem ao sambista (Redes Sociais)

O Grupo Fundo de Quintal perdeu hoje (11) seu percussionista, Ubirany Félix do Nascimento, que estava com covid-19 e morreu aos 80 anos. Ele estava internado há nove dias no Hospital Casa São Bernardo, na Barra da Tijuca, por causa de complicações da contaminação pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2).

O sambista foi um dos fundadores do grupo Fundo de Quintal no fim da década de 70, a partir das rodas de samba de que costumava participar com amigos do bloco de carnaval Cacique de Ramos. A sede do Cacique, na zona norte da cidade, reunia o mais puro samba carioca e se tornou lugar de encontro de estrelas como Beth Carvalho, Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho.

Em seu perfil no Facebook, o Fundo de Quintal postou uma nota oficial lamentando a morte do “querido Ubirany, aos 80 anos de idade”. Na mensagem, a assessoria do grupo diz que informará quando será o velório e o sepultamento de Ubirany. “Pedimos respeito ao luto de amigos e familiares, que se manifestarão em momento oportuno e espontâneo.”

Repique de mão

Em entrevista ao portal de notícias Catraca Livre, há quatro anos, Ubirany contou que foi o criador do repique de mão. Uma das características do Fundo de Quintal, o instrumento logo  passou a ser usado por outros grupos de samba. Além do repique de mão, o Fundo de Quintal influenciou o trabalho de outros músicos com o uso de mais dois instrumentos: o tantã e o banjo com cabo de cavaquinho, esse criado por Almir Guineto, outro fundador do grupo.

“Peguei um repinique do Cacique de Ramos e tirei a pele de um dos lados para que o som não ficasse preso ou abafado. Aí, surgiu a questão de machucar a mão no aro do instrumento, que resolvi rebaixar. Ainda sentia o som sem nitidez, com sobras, então passamos a colocar aquelas travas de madeira que não são nada mais do que abafadores, que ajudam a produzir um som mais limpo. Assim foi criado esse instrumento que está aí até hoje, sem que eu tivesse pensado em qualquer tipo de patente. A maior gratificação mesmo é ver todo mundo curtindo”, explicou Ubirany na entrevista.

A cantora Teresa Cristina postou uma mensagem no seu perfil do Instagram comentando a importância do amigo para o samba e o seu comportamento doce. “Ubirany, o maior dos maiores. Inventor do repique de mão, peça fundamental em qualquer roda de samba. Um verdadeiro gentleman. Sempre sorridente, educado, doce, simpático com todos que cruzavam seu caminho.”

A sambista falou ainda sobre a causa da morte do percussionista. “Esse vírus terrível leva embora um pedaço do subúrbio carioca. Que tristeza! Descanse em paz, mestre!.”

O cantor e compositor Zeca Pagodinho, que frequentava o Cacique no início da carreira, lamentou a morte do amigo. “Depois de tantas outras, essa foi mais uma notícia triste que chegou nesta sexta-feira. O falecimento do Ubirany, o vice do Fundo de Quintal, do Cacique de Ramos, onde cheguei e foi um dos primeiros a me receber de braços abertos. Que Deus o receba também de braços abertos. Vice vai com Deus e vamos levando. Valeu”, diz Pagodinho, em vídeo encaminhado pela sua assessoria de imprensa.

Por Cristina Indio do Brasil – Repórter da Agência Brasil 

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas