Naufrágio no Amapá já matou 29 pessoas

Oito passageiros do barco ainda estão desaparecidos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Bombeiros trabalham na busca por vítimas (Agência Pará/Fotos Públicas)

Mais quatro corpos de vítimas do naufrágio do barco Anna Karolinne III, no Amapá, foram localizados e resgatados pelo Corpo de Bombeiros, aumentado para 29 o número de mortos na tragédia, segundo informações divulgadas pelo Comando da Marinha. O acidente aconteceu na madrugada de sábado (29), a cerca de 100 quilômetros do município de Laranjal do Jari, no sul do estado. Oito pessoas estão desaparecidas.

As buscas aos desaparecidos continuam nesta sexta-feira (6) e, segundo a Marinha, além das equipes do Corpo de Bombeiros, 39 militares da Marinha participam também das ações, com o apoio das embarcações: Aviso Hidroceanográfico Fluvial Rio Xingu e Aviso Balizador Marco Zero, uma lancha ETP Lampejo, além de um helicóptero modelo UH-15 (Super Cougar), do 1° Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral do Norte.



Segundo o Corpo de Bombeiros, a quantidade exata de pessoas que estavam a bordo do Anna Karolinne, no momento do naufrágio, ainda é incerta, pois o controle de passageiros era feito de forma precária. Quarenta e nove pessoas foram resgatadas com vida.

Na quarta-feira (4), foi aberto processo de contratação emergencial de uma empresa capaz de içar o barco naufragado, que pode ser consultado na Central de Licitações e Contratos do governo do Amapá. A responsabilidade técnica pela escolha da prestadora do serviço ficará a cargo do Corpo de Bombeiros.

Segundo o subprocurador-geral do estado, Thiago Lima Albuquerque, “A intenção é contratar uma empresa o mais rápido possível para que possa prestar o serviço de reflutuação de embarcação submersa e retirar o navio do local do naufrágio.”

A Marinha do Brasil reitera a mobilização total da Capitania dos Portos do Amapá para analisar o plano de reflutuação da embarcação com a maior brevidade possível, após o seu recebimento, a fim de aprová-lo, de acordo com as normas vigentes, e, assim, permitir que a empresa contratada pela Defesa Civil execute o plano de reflutuação da embarcação.


Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas