Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Paraná anuncia acordo para produzir vacina russa

Ratinho Júnior diz que acordo com a Rússia é discutido desde julho.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Poucas horas após Moscou anunciar a aprovação da primeira vacina contra a covid-19, o governo do Paraná divulgou nesta terça-feira (11/08) que pretende assinar um convênio com a Rússia para a produção da controversa vacina, que é questionada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Carlos Massa Ratinho Junior, governador do Paraná (Geraldo Bubniak/AEN)

O governador do Paraná, Ratinho Júnior, e o embaixador da Rússia no Brasil, Serguei Akopov, devem assinar o acordo na quarta-feira. Segundo o governo paranaense, o convênio estava sendo discutido desde julho.

Em entrevista à GloboNews, o presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Jorge Callado, estimou que a imunização deve estar disponível no segundo semestre de 2021, e afirmou que, após a assinatura do convênio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avaliará o protocolo russo para avaliar a liberação dos testes.

O Tecpar será o responsável por todas as fases até a distribuição da vacina no país, incluindo a realização de testes. O convênio prevê ainda a transferência de tecnologia.

Callado destacou, porém, que não há um compromisso de produção da vacina enquanto ela não for validada e liberada pela Anvisa e pela Comissão Nacional de Ética e Pesquisa, e garantiu que, se Moscou não fornecer as informações necessárias, o acordo pode ser anulado.

Vladimir Putin, presidente da Rússia (Kremlin/via Fotos Públicas)

A Rússia é o primeiro país do mundo a registrar e aprovar para uso da população uma vacina contra o coronavírus. No entanto, muitos cientistas no país e no exterior têm se mostrado céticos com as declarações do governo russo, questionando a decisão de registrar a vacina antes mesmo dos testes da fase 3, que normalmente duram meses e envolvem milhares de voluntários.

Ainda há desconfiança sobre a falta de publicação de dados em revistas científicas que atestem sua eficácia. Pouco se sabe também sobre as fases de todo o processo de pesquisa e quantas pessoas foram efetivamente testadas.

O anúncio da Rússia foi recebido com cautela pela Organização Mundial da Saúde, que afirmou não ter recebido informações suficientes para avaliar a vacina russa, batizada de “Sputnik V”, em referência ao pioneiro satélite soviético lançado nos anos 1950, que marcou o início da corrida espacial.

“Acelerar o progresso não deve significar comprometer a segurança”, disse o porta-voz da OMS Tarik Jasarevic, acrescentando que a organização está em contato com as autoridades da Rússia e de outros países para analisar o progresso das diferentes pesquisas de vacinas.

O porta-voz enfatizou que a organização está animada “com a velocidade em que as vacinas estão sendo desenvolvidas” e espera que algumas delas “se mostrem seguras e eficientes”.

A Alemanha foi um dos primeiros países a levantar dúvidas sobre a vacina desenvolvida pela Rússia. “Não há dados conhecidos sobre a qualidade, eficácia e segurança da vacina russa”, afirmou uma porta-voz do Ministério da Saúde alemão à rede de jornais RND, lembrando que, na União Europeia, “a segurança do paciente é a principal prioridade”. 

Apesar dos questionamentos internacionais, o secretário da Casa Civil do Paraná, Guto Silva, afirmou ao jornal Folha de S. Paulo que o fato de a Rússia não ter seguido os protocolos da OMS não é motivo de preocupação para o governo paranaense, pois a aprovação da vacina no país seguirá regras brasileiras.

Além da vacina russa, duas outras receberam apoio direto de autoridades brasileiras e já contam com acordos que envolvem a compra e produção em território nacional: a desenvolvida pela universidade britânica de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca, escolhida pelo governo federal, e a criada pela chinesa Sinovac, que tem o governo de São Paulo como parceiro.

Segundo a OMS, há atualmente  no mundo seis vacinas contra a covid-19 na fase 3 de ensaios clínicos, a última etapa antes da aprovação.

CN/afp/lusa/efe/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país

Outras - notícias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest