PF bloqueia meio bilhão em operação contra o garimpo

Garimpo extraía e vendia ouro ilegalmente na terra indígena Kayapó
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(PF/via TV Cultura)

A Polícia Federal deflagrou a Operação Terra Desolata, nesta quarta-feira (27), com o objetivo de desarticular uma organização criminosa que extraía e comercializava ouro ilegalmente no sul do Pará, na terra indígena Kayapó.

Os policiais cumprem 62 mandados de busca e apreensão, e 12 mandados de prisão preventiva expedidos pela 4ª Vara Federal Criminal da SJPA. A Justiça determinou ainda o bloqueio de aproximadamente meio bilhão de reais das contas dos investigados, além de 5 aeronaves, bens imóveis de 47 pessoas físicas e jurídicas,  14 bens móveis e ordenou a suspensão da atividade econômica de 12 empresas.

As medidas estão sendo cumpridas nos estados do Pará, Amazonas, Goiás, Roraima, São Paulo, Tocantins, Maranhão, Mato Grosso, Rondônia e Distrito Federal.

As investigações, que tiveram início em 2020, apontaram três níveis em que as ações criminosas ocorriam. O primeiro, são os garimpeiros comuns que extraem e vendem ouro sem permissão para os intermediários, que estão no segundo nível. Estes revendem o ouro para grandes empresas – terceiro nível – para no fim injetá-lo no mercado nacional, ou exportá-lo. Cerca de uma tonelada de ouro é extraído de forma ilegal das terras indígenas do sul do Pará todos os anos.

Além das extrações e vendas, a investigação também identificou a existência de garimpo em áreas particulares com suspeita de trabalho análogo à escravidão, que serão objeto de busca e apreensão em ação conjunta com o Ministério Público do Trabalho.

Por TV Cultura

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas