Covaxin: Bolsonaro mandou PF investigar deputado Luís Miranda e irmão, diz Onyx

Miranda diz que comunicou à Bolsonaro sobre suspeitas na compra da Covaxin
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Luis Miranda, deputado federal (DEM-DF) (Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta quarta (23) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) solicitou investigações sobre as declarações do deputado Luís Miranda (DEM-DF) acerca da compra da vacina Covaxin. 

Segundo Onyx, que apresentou as informações em coletiva de imprensa, Miranda e seu irmão, um servidor do Ministério da Saúde, também serão investigados por “denunciação caluniosa, fraude processual e prevaricação”. A coletiva não foi aberta para perguntas dos jornalistas. 

“O governo tomará medidas. O senhor presidente da República determinou ao ministro-chefe da Casa Civil que a Polícia Federal abra uma investigação sobre as declarações do deputado Luís Miranda, sobre as atividades do seu irmão, servidor público do Ministério da Saúde e sobre todas essas circunstâncias expostas no dia de hoje”, afirmou Lorenzoni. 

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo na última terça (22), o deputado disse que comunicou Bolsonaro sobre um suposto esquema de corrupção envolvendo a compra do imunizante produzido pelo laboratório Baraht Biotech. Ele reafirmou as alegações e disse ter “provas contundentes” da alegação em entrevista à CNN Brasil nesta quarta (23). Miranda será ouvido pela CPI da Covid na próxima sexta-feira. 

Na coletiva, Lorenzoni negou irregularidades: “Sobre as acusações assacadas hoje contra o presidente da República, quero dizer três coisas importantes: não houve favorecimento a ninguém, porque essa é a prática desse governo; não houve sobrepreço – tem gente que não sabe fazer conta; não houve compra alguma”. 

Onyx também dirigiu-se ao deputado durante a coletiva: “Deputado Luís Miranda, Deus está vendo. Mas o senhor não vai só se entender com Deus, vai se entender com a gente também. E tem mais: o senhor vai explicar e o senhor vai pagar pela irresponsabilidade, pelo mau-caratismo, pela má-fé, pela denunciação caluniosa, pela denunciação de provas falsas”. 

O deputado federal é irmão do servidor Luis Ricardo Fernandes Miranda. Segundo o parlamentar, seu irmão sofreu pressão no ministério para dar andamento à importação do imunizante. O contrato foi firmado pelo valor de R$1,6 bilhão, com cada dose no valor de U$15, preço mais elevado em relação a outras vacinas em negociação. 

A Procuradoria da República no DF afirma que a compra da Covaxin foi intermediada pela Precisa Medicamentos, empresa que representa o laboratório indiano no Brasil. Após os 70 dias de prazo para execução do contrato, a Precisa não entregou nenhum dos lotes de 4 milhões de doses. Não houve registro para importação para uso emergencial do imunizante pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Por TV Cultura

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas