CPI quebra sigilo fiscal de Barros e do advogado de Bolsonaro

Blogueiro bolsonarista também é alvo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Ricardo Barros, deputado federal (PP-PR), após depoimento à CPI (Marcos Oliveira/Agência Senado)

A CPI da Pandemia aprovou nesta quinta-feira (19/08) uma série de requerimentos de quebra de sigilo, incluindo o sigilo fiscal do deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, e do advogado Frederick Wassef, que trabalha para a família Bolsonaro.

Barros foi apontado como mentor de supostas irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin contra a covid-19, o que o levou a ser incluído na lista de investigados pela CPI na quarta-feira.

A comissão no Senado já havia determinado a quebra do sigilo fiscal do deputado a partir de 2018, mas agora estendeu esse período até 2016, incluindo assim o tempo em que ele foi ministro da Saúde durante o governo de Michel Temer.

O parlamentar foi implicado em outra suspeita de irregularidades quando estava à frente da pasta. Em 2018, o Ministério Público Federal instaurou uma ação de improbidade administrativa contra Barros pelo pagamento antecipado de R$ 20 milhões à empresa Global Gestão de Saúde por medicamentos que não foram entregues.

Nesta quinta-feira, a CPI da Pandemia aprovou a quebra de sigilos telefônico, fiscal, bancário e telemático da Global, bem como ampliou o prazo de quebra do sigilo fiscal de seu sócio, Francisco Emerson Maximiano. O empresário é dono também da Precisa Medicamentos, que representava o laboratório indiano Bharat Biotech nas negociações suspeitas da Covaxin no Brasil.

Além disso, a comissão no Senado vai pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Tribunal de Contas da União (TCU) informações sobre processos envolvendo Barros. Também foi aprovada a quebra do sigilo fiscal de 20 empresas que teriam ligações com o deputado.

Frederick Wassef, advogado de Bolsonaro (Pedro França/Agência Senado)

Em relação a Frederick Wassef, a CPI aprovou a quebra de sigilo fiscal do advogado também nos últimos cinco anos. Os senadores buscam apurar se Wassef – que atua para o presidente Jair Bolsonaro e o filho mais velho dele, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) – teve envolvimento no processo de compras de vacinas pelo governo federal.

Outros requerimentos aprovados

Outra figura ligada ao presidente que teve seu sigilo bancário e fiscal quebrado foi o blogueiro Allan dos Santos. Apoiador de Bolsonaro, ele é fundador do blog Terça Livre e dono de um canal no YouTube com o mesmo nome.

O blogueiro é alvo de dois inquéritos no STF, um sobre a disseminação de fake news e outro sobre financiamento de atos antidemocráticos, e na quarta-feira foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por proferir ameaças contra Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Ao todo, os senadores aprovaram nesta quinta-feira 187 requerimentos de quebra de sigilo, solicitações de relatórios de inteligência ao Coaf e convocações para depor.

Esses pedidos visam apurar, além de suspeitas na aquisição de vacinas pelo governo, também o uso de hospitais federais do Rio de Janeiro para desvio de verbas, bem como o financiamento e a divulgação de notícias falsas sobre a pandemia de covid-19. Vários canais de apoio a Bolsonaro tiveram seu sigilo quebrado.

Segundo o jornal O Globo, essa deve ser a última leva de requerimentos feita pela CPI, que tem previsão de encerrar seus trabalhos no próximo mês.

Por Deutsche Welle
ek (ots)

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas