Em meio à pandemia, Bolsonaro mantém recorde de aprovação

Rejeição ao Governo cai de 34% para 32%, segundo pesquisa Datafolha
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Apesar do agravamento da epidemia de covid-19 no país e das críticas à sua gestão da crise, o presidente Jair Bolsonaro manteve sua aprovação no melhor nível desde o início do mandato, segundo apontou uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada neste domingo (13/12).

O levantamento mostrou que 37% dos brasileiros consideram seu governo bom ou ótimo, o mesmo percentual da pesquisa realizada em agosto. Em junho, eram 32%.

Já a rejeição do presidente caiu de 34% em agosto para 32% agora, enquanto há seis meses 44% dos entrevistados classificaram o governo como ruim ou péssimo. Além disso, 29% avaliam Bolsonaro como regular – eram 27% em agosto e 23% em junho.

A pesquisa ouviu 2.016 pessoas por telefone nos dias 8 e 10 de dezembro em todo o país. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Apesar de sua aprovação seguir estável em seu melhor nível, Bolsonaro é o segundo presidente com a pior avaliação desde a redemocratização de 1985, quando considerados os eleitos pelas urnas e que cumprem seu primeiro mandato.

Ele só ganha de Fernando Collor (1990-1992), que era rejeitado por 48% do eleitorado e aprovado por apenas 15% na mesma altura do mandato, em fevereiro de 1992.

As avaliações dos antecessores de Bolsonaro no mesmo momento de seus primeiros governos eram bem superiores: Fernando Henrique Cardoso tinha 45% de aprovação, Luiz Inácio Lula da Silva, 47%, e Dilma Rousseff tinha 62%.

Segundo a pesquisa Datafolha deste domingo, a aprovação do presidente é particularmente alta entre homens, empresários, moradores das regiões Norte e Centro-Oeste, assalariados sem registro e pessoas que ganham de cinco a dez salários mínimos.

Já a reprovação é mais forte entre estudantes, quem tem ensino superior, quem ganha mais de dez salários mínimos, quem vive em regiões metropolitanas e entre pretos.

Além disso, mais da metade dos participantes da pesquisa acredita que Bolsonaro fez menos pelo país do que o esperado: essa parcela representa 55%, enquanto 17% acham que ele fez mais do que o esperado, e 21% opinam que ele fez o esperado.

Em relação a temas que preocupam os brasileiros, a saúde ficou em primeiro lugar entre os assuntos citados espontaneamente, atingindo 27% dos entrevistados. Outros problemas mencionados foram desemprego (13%), economia (8%) e corrupção (7%).

Paradoxalmente, a estabilidade na forma como a população vê o governo Bolsonaro – e a mudança substancial ocorrida entre junho e agosto – ocorre num momento em que o país vive uma grave crise sanitária e econômica.

O Brasil superou a marca de 180 mil mortos pela covid-19 e já se aproxima de 7 milhões de infectados, na mesma semana em que o presidente declarou que o país vive “um finalzinho de pandemia”, mesmo com os números mostrando o contrário.

Além do agravamento da epidemia, a aprovação também ocorre enquanto o governo Bolsonaro fica para trás na corrida das vacinas e trava uma disputa com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), sobre o protagonismo da imunização no país. O presidente e seu Ministério da Saúde também vinham sendo alvo de críticas intensas por não apresentarem um plano nacional de vacinação.

A popularidade coincide, porém, com a continuidade da distribuição do auxílio emergencial para trabalhadores afetados pela crise, que foi de R$ 600 mensais e agora está em R$ 300 – e que acabará no fim deste ano, enquanto o governo avalia formas de manter algum tipo de ajuda.

O governo federal, que inicialmente havia proposto o valor de R$ 200 e concordou em triplicar a quantia após votação na Câmara dos Deputados, hoje celebra o resultado do auxílio, que aumentou a aprovação do presidente até mesmo em antigos redutos do PT, como o Nordeste.

A estabilidade na aprovação também coincide com certa moderação de Bolsonaro em alguns temas, como sua relação com o Legislativo e o Judiciário. No primeiro semestre, ele chegou a participar de atos contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e pelo fechamento do Congresso.

Em meados do ano, ele se aproximou dos partidos do chamado “Centrão” e moderou suas posições em relação ao STF, em especial depois da prisão de seu amigo Fabrício Queiroz. O “ex-faz-tudo” da família Bolsonaro foi preso em 18 de junho, pouco antes de uma pesquisa Datafolha.

Ainda assim, o levantamento de seis meses atrás não marcou o fundo do poço para Bolsonaro, apesar de a imagem do governo ter sofrido com a prisão. A pior avaliação do presidente continua sendo a de agosto de 2019, em meio à crise das queimadas e o derretimento da imagem do Brasil no exterior, quando apenas 29% consideraram seu governo bom ou ótimo.

EK/ots

Por Deutsche Welle

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas