Estados Unidos formalizam o ingresso do Brasil na OCDE

Iniciativa americana dá mais impulso à candidatura brasileira.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Os Estados Unidos decidiram nesta quinta-feira (23) apoiar formalmente a entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O anúncio oficial do apoio foi dado durante a reunião do órgão, em Paris. O presidente Jair Bolsonaro postou no Twitter mensagem em que afirma que o suporte norte-americano é “fruto da confiança no novo Brasil”.

“Atualmente, todos os 36 membros da OCDE apoiam a nossa entrada, fruto da confiança no novo Brasil que estamos construindo, mais livre, aberto e justo”, disse Bolsonaro.

Em Paris, o chanceler brasileiro Ernesto Araújo disse que o apoio norte-americano é a “principal peça que faltava para que nós possamos, no mais breve prazo, começarmos o processo de adesão à OCDE”.

O apoio dos EUA, segundo  Araújo,  é “importantíssimo nesse nosso caminho para nos tornarmos membros plenos da OCDE. Contávamos com isso desde a visita do presidente Bolsonaro aos Estados Unidos. O presidente Trump já tinha garantido o seu apoio de maneira muito clara”.

Brasil lidera a disputa

Com o apoio norte-americano, o Brasil se tornou um forte candidato para se tornar membro pleno da organização. Mas, além do Brasil, há outros candidatos: Argentina , Romênia, Croácia, Hungria e Bulgária. Destes, o Brasil é o que está mais avançaco na disputa, assumindo a liderança com folga sobre os demais, já tendo adotado cerca de 30% dos instrumentos exigidos pela OCDE.

Para se tornar membro pleno da instituição, o Brasil dependerá ainda da aprovação dos seguintes países europeus: Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Grécia, Islândia, Luxemburgo, Noruega, Países Baixos, Portugal, Reino Unido, Suécia, Suíça, Alemanha, Espanha, Finlândia, República Tcheca, Polônia, Eslováquia, Eslovênia, Estônia, Letonia e Lituânia. Fora da Europa, além dos Estados Unidos, o Brasil precisará do respaldo da Austrália, Canadá, Japão, Israel, Coreia do Sul, México, Chile e Nova Zelândia.

O tempo necessário que um país passe a integrar a OCDE é de 2 a 3 anos. Durante esse período, o país-candidato terá que adaptar toda a sua legislação aos regulamentos das nações integrantes da OCDE. De acordo com o Itamaraty, se por um lado o Brasil ainda precisa adaptar alguns dispositivos legais importantes, por outro tem a vantagem de ter feito nas últimas décadas progresso em leis sobre o consumidor, sobre vários campos econômicos e também sobre o consumidor.

Vantagens

O ingresso de um país ao grupo de nações que compõem a OCDE traz benefícios em vários setores, especialmente na atração de investimentos.  Grupos econômicos e financeiros normalmente dão prioridade aos países membros da OCDE porque estes já adaptaram suas regras econômicas para o padrão de competitividade e inovação tecnológica própria dos países altamente industrializados.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas