Marcelo Queiroga é empossado como ministro da Saúde

Jair Bolsonaro fez a cerimônia fora da agenda oficial
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Marcelo Queiroga, novo ministro da Saúde, e o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello
(Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O cardiologista Marcelo Queiroga foi empossado no Palácio do Planalto como novo ministro da Saúde em uma cerimônia discreta nesta terça-feira (23/03), sem a presença de convidados ou jornalistas. O evento não constava na agenda oficial da Presidência.

Seu nome fora anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro há mais de uma semana. O vácuo deixado no ministério nos últimos dias, período em que a pasta ficou sem comando após a saída do general Eduardo Pazuello, vinha gerando fortes críticas ao governo federal.

Quarto ministro da Saúde do governo Jair Bolsonaro, Queiroga assume o cargo em um momento em que o Brasil caminha a passos largos para a marca de 300 mil mortes por covid-19, e passou a ser visto como uma ameaça internacional devido à forma como lida com a pandemia.

A situação de seu antecessor, Pazuello, ficou insustentável após as inúmeras falhas do governo federal em organizar uma distribuição eficiente das vacinas pelo país e com o agravamento da falta de medicamentos e recursos essenciais no combate ao coronavírus.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a cerimônia de posse foi realizada nesta manhã desta terça-feira após pressão do bloco parlamentar do chamado Centrão, do qual o presidente depende para o avanço de algumas de suas principais bandeiras políticas no Congresso.

A nomeação de Queiroga deve ser publicada em edição extra do Diário Oficial da União, que deve também confirmar a indicação de Pazuello para a chefia do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI).

Sai um general, entra um médico

Ao contrário de Pazuello, Queiroga tem currículo na área médica. É presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e diretor do Departamento de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista de um hospital em João Pessoa.

Mas o fator determinante para sua escolha foi mesmo a proximidade com o clã Bolsonaro. Seu padrinho na indicação foi Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente. Queiroga é amigo da família da mulher do senador. Ele é ainda próximo de políticos paraibanos.

O médico também é bolsonarista. Ele apoiou a candidatura de Jair Bolsonaro em 2018 e integrou a equipe de transição do então presidente eleito. Por outro lado, sua postura ao longo da pandemia contrasta à primeira vista com os adeptos mais radicais do bolsonarismo.

Não há sinais de negacionismo em suas falas públicas nos últimos 12 meses. Ele defendeu o uso de máscaras, a vacinação e o isolamento social, e disse após ser indicado que seu ministério será pautado pela ciência.

Na terça-feira da semana passada, um dia após a sua indicação, Queiroga afirmou ser preciso “união da nação” para enfrentar a “nova onda” da pandemia de covid-19.

Em pronunciamento, o médico cardiologista defendeu o Sistema Único de Saúde (SUS) e citou a importância das “evidências científicas” em futuras ações da pasta.

A SBC, sociedade que ele preside, também já publicou notas em que não recomenda o uso da cloroquina contra a covid-19. A droga ineficaz é desde março de 2020 a principal aposta de Bolsonaro para lidar com a pandemia. Na gestão Pazuello, sob ordens de Bolsonaro, a cloroquina foi distribuída em largas quantidades.

“A política é de Bolsonaro, não do ministro”

O histórico da Saúde sob o governo Bolsonaro não é favorável para ministros que vêm da área médica: dois dos três antecessores de Queiroga, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, também eram médicos e entraram em choque com a postura negacionista e anticiência de Bolsonaro.

Mandetta durou apenas um mês e meio no cargo após a detecção do primeiro caso de covid-19 no Brasil. Teich ficou 29 dias. Não médico, porém obediente ao chefe, Pazuello ficou dez meses.

Ao anunciar Queiroga, Bolsonaro disse que o médico vai dar “prosseguimento em tudo o que Pazuello fez até hoje”. A fala foi imediatamente criticada por adversários do presidente, que lembraram o avanço dramático da pandemia durante a gestão do general e episódios trágicos como a falta de oxigênio em Manaus.

O próprio Queiroga, em falas após o anúncio, declarou que “a política é do governo Bolsonaro, não do ministro da Saúde”. “A Saúde executa a política do governo”, disse, parecendo ecoar uma declaração de Pazuello em outubro passado: “Senhores, é simples assim: um manda e o outro obedece”.

Também há dúvidas se Queiroga vai ter autonomia para montar sua equipe no ministério. No momento, dezenas de postos-chave da pasta estão ocupados por militares sem experiência em saúde, vários deles negacionistas e adeptos de tratamentos ineficazes.

Por Deutsche Welle

rc/ek (DW, ots)

Você usa o Telegram?

Entre em nosso canal no Telegram e receba nossas atualizações de notícias direto no seu celular. Basta clicar aqui

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *