“Médicos que recusavam ‘kit covid’ eram demitidos pela Prevent”

Advogada diz que Prevent Senior maquiou estudos sobre cloroquina
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A CPI da Pandemia ouviu nesta terça-feira (28/09) a advogada Bruna Morato, que representa um grupo de médicos da rede Prevent Senior que denunciou práticas ilegais da empresa envolvendo especialmente a aplicação de “tratamento precoce” contra covid-19, o coquetel de drogas sem eficácia e potencialmente prejudiciais que é promovido pelo presidente Jair Bolsonaro desde o início da pandemia.

Há duas semanas veio a público um dossiê elaborado pelos médicos denunciantes, que apontava que a rede Prevent Senior – que tem como principal clientela idosos – não só pressionou seus profissionais a receitarem o “kit covid” como realizou um estudo altamente irregular ministrando os medicamentos a pessoas com suspeita ou diagnóstico de covid-19 sem informar os pacientes ou seus familiares.

O dôssie também aponta que os prontuários de pacientes foram fraudados não só para esconder a aplicação de tratamentos experimentais mas também para ocultar a causa da morte por covid-19.

O dossiê ilustra essa última acusação com os casos do médico Anthony Wong e de Regina Hang, mãe do empresário Luciano Hang, que morreram quando estavam internados em hospitais da empresa. Wong era um conhecido pediatra que no início da pandemia se tornou um dos principais defensores públicos da cloroquina contra a covid-19. Ele morreu em janeiro. À época, a Prevent se limitou afirmar que ele havia tido uma “parada cardiorrespiratória”.

Segundo reportagem da revista Piauí, o prontuário dele foi alterado para esconder que a causa foi covid-19 e que ele havia sido submetido a radicais e bizarros tratamentos experimentais antes de morrer.

Na semana passada, em depoimento à CPI, o diretor-executivo da operadora de saúde Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, negou as acusações.

Aos senadores, a advogada Bruna Morato afirmou que os médicos que trabalhavam para a Prevent Senior corriam o risco de serem demitidos se não abraçassem sem critérios a aplicação do “tratamento precoce” ordenada pelo comando da rede, composto por hidroxicloroquina e azitromicina, entre outras drogas.

Segundo a advogada, os médicos não tinham autonomia para escolher o tratamento mais adequado para pacientes com covid-19 nem para fazer testes para verificar se alguns doentes corriam risco com os remédios.

“Não existia autorização para fazer determinados exames. Se prescrevia hidroxicloroquina sem a realização do eletrocardiograma. Existia a dispensação de ivermectina, e o médico não tinha autonomia para retirar esse item. Os médicos eram orientados à prescrição do kit, que vinha num pacote fechado e lacrado. Quando o médico queria tirar algum item, ainda que ele riscasse na receita, o paciente recebia completo. A receita também já estava pronta”, disse Morato.

Aos senadores, ela disse que as práticas ilegais na empresa a deixaram “horrorizada”.

“Falta de autonomia médica, ocultação e manipulação de dados, falta de transparência em relação aos pacientes e falta de respeito em relação à vida das pessoas”, resumiu Morato.

Fraudes

Ela ainda afirmou que a rede alterava a Classificação Internacional de Doenças (CID) no prontuário dos pacientes, retirando qualquer menção à covid-19, “para que houvesse uma falsa sensação de sucesso em relação ao tratamento preventivo”. Segundo ela, a ordem para omitir a covid-19 como causa da morte partiu da direção da empresa.

Morato também afirmou que a direção da Prevent Senior tentou maquiar seu estudo irregular sobre os efeitos do “kit covid” em pacientes para adequar as conclusões a falas públicas do presidente Jair Bolsonaro sobre a suposta eficácia do tratamento. Em abril de 2020, Bolsonaro escreveu numa rede social que o tratamento com cloroquina garantia “100% de cura”.

Depois dessa declaração do presidente, segundo Morato, o diretor da Prevent Senior responsável pelo estudo acionou pesquisadores da rede para rever os dados da pesquisa. O objetivo seria garantir que estavam alinhados aos números citados pelo presidente.

“Existia uma mensagem de texto encaminhada ao grupo de pesquisadores, de autoria do [diretor do Instituto de Pesquisa da Prevent Senior] doutor Rodrigo Esper, em que ele pede que se faça um ‘arredondamento’ de dados, considerando a citação do presidente da República. Ele pede que se faça uma revisão após o tuíte do presidente. Cita que [o estudo] foi citado pelo presidente e que, por isso, os dados precisariam ser perfeitos”, afirmou Morato.

Segundo a advogada, um dos diretores da Prevent Senior, identificado como Felipe Cavalca, ainda encaminhou mensagens orientando médicos a não informar os pacientes e familiares sobre os riscos do tratamento com o “kit covid”. Ainda segundo a advogada, os clientes da empresa “foram ludibriados” a assinar termos de consentimento para a realização de estudos sobre os medicamentos ineficazes.

“O paciente idoso é extremamente vulnerável. Eles não sabiam que seriam feitos de cobaia. Eles sabiam que iriam receber medicamentos. Isso são coisas diferentes. Quando chegava para retirar o medicamento, era passada a seguinte informação: ‘para retirar essa medicação, o senhor precisa assinar aqui’. Eles não tinham ciência de que esse ‘assina aqui’ era o termo de consentimento”, disse Morato.

“Gabinete das sombras”

Ainda segundo Morato, no início da pandemia o diretor da Prevent Pedro Batista Júnior tentou se aproximar do então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que havia criticado a empresa após várias mortes por covid-19 em um hospital da rede, o Sancta Maggiore, em São Paulo.

Sem êxito na aproximação com Mandetta, a Prevent teria fechado uma “aliança” com um grupo de médicos que assessoravam o governo federal, membros do chamado “gabinete paralelo” ou “gabinete das sombras”, formado por médicos e leigos bolsonaristas que eram entusiastas do uso em larga escala da cloroquina e outras drogas ineficazes contra a covid-19.

Na prática, segundo apontaram várias figuras que passaram pela CPI, era esse grupo obscuro formado por bolsonaristas e negacionistas da covid-19 que realmente ditava a política de combate à pandemia, e não o Ministério da Saúde.

“Segundo informações, o doutor Pedro foi informado que existia um conjunto de médicos assessorando o governo federal e que esse conjunto de médicos estaria totalmente alinhado com interesses do Ministério da Economia. O que eles [clientes] me explicaram foi o seguinte: existia um interesse do Ministério da Economia para que o país não pare. Se nós entrarmos nesse sistema de lockdown, nós teríamos um abalo econômico muito grande. Existia um plano para que as pessoas pudessem sair às ruas sem medo”, afirmou.

“Eles desenvolveram uma estratégia. Qual era essa estratégia? Através do aconselhamento de médicos. Esses médicos eu posso citar também de forma nominal, porque me foi dada essa explicação: era o doutor Anthony Wong, toxicologista responsável por desenvolver um conjunto medicamentoso atóxico; a doutora Nise Yamaguchi, especialista em imunologia, a qual deveria disseminar informações a respeito da resposta imunológica das pessoas; o virologista Paolo Zanotto, para que ele falasse a respeito do vírus e tratasse a respeito dessa situação de forma mais abrangente, evocando notícias. E a Prevent Senior iria entrar para colaborar com essas pessoas. É como se fosse uma troca, a qual nós chamamos na denúncia de pacto, porque assim me foi dito”, completou.

Estratégia para cortar custos

Bruna Morato disse aos senadores que a prescrição do “kit covid” era uma estratégia da Prevent Senior para evitar a internação de pacientes nos hospitais da rede e reduzir custos.

“Não é nem uma questão interpretativa. É uma constatação. As mensagens de texto disponibilizadas à CPI mostram que a Prevent Senior não tinha a quantidade de leitos necessários de UTI e, por isso, orientava o ‘tratamento precoce’. É muito mais barato você disponibilizar um conjunto de medicamentos aos pacientes, do que fazer a internação desses pacientes. Era uma estratégia para redução de custos.”

Questionada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) sobre a prescrição indiscriminada de medicamentos, Morato disse que houve uma intenção inicial da operadora de “acompanhamento mais completo” dos pacientes pelo médicos. No entanto, segundo ela, a demanda era tão alta que a Prevent passou a deixar de orientar o acompanhamento para fazer a prescrição da medicação ineficaz.

Depoimento de Hang

Na quarta-feira, a CPI vai ouvir o empresário bolsonarista Luciano Hang, acusado de ser um dos integrantes financiadores do “gabinete paralelo” de entusiastas da cloroquina que ditava os rumos da gestão da pandemia sem qualquer controle. Hang ainda teve seu nome envolvido no escândalo da Prevent Senior após a revelação que sua mãe, internada com covid-19 num hospital da rede no primeiro semestre, recebeu o “tratamento precoce”.

O atestado de óbito da mãe do empresário não indicava que ela morreu da doença, o que levantou acusações de fraude. Hang e a empresa de saúde ainda esconderam publicamente que ela havia recebido o “kit-covid”. Hang foi além: chegou a gravar um vídeo afirmando que ela nunca havia recebido o “tratamento” e sugerindo que ela poderia ter sobrevivido com uma aplicação preventiva de cloroquina. A atitude do empresário foi encarada como uma forma de manter viva a farsa da eficácia do “tratamento precoce” e gerou repulsa por parte de senadores da oposição, que acusaram Hang de usar a morte da própria mãe em nome do bolsonarismo.

Hang é um conhecido entusiasta do bolsonarismo e também já foi acusado de financiar redes de fake news que atacam adversários do presidente.

Em junho, a CPI convocou Carlos “Wizard” Martins, acusado de ser um dos organizadores do “gabinete das sombras”. O gabinete incluía figuras como a oncologista Nise Yamaguchi e o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), um dos principais ideólogos do negacionismo junto ao Planalto. Martins permaneceu em silêncio na maior parte de seu depoimento.

Por Deutsche Welle
jps/ek (ots, Agência Senado)

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas