MPF investiga Arthur do Val por fabricar coquetel molotov

Investigação foi solicitada por deputado do PT

O Ministério Público Federal (MPF) abriu dois inquéritos para investigar o deputado estadual Arthur do Val (União Brasil – SP) pela fabricação de coquetéis molotov na Ucrânia durante a invasão russa.

O parlamentar divulgou nas redes sociais, em março deste ano, que estava ajudando a preparar o material para o exército ucraniano. A imagem retratava Arthur do Val sentado em meio ao conjunto de garrafas.

Arthur do Val sentado ao lado de pilhas de garrafas de vidro, supostamente usadas para fabricar os coquetéis molotov, bombas incendiárias.
Arthur do Val ao lado de garrafas supostamente usadas para fabricar coquetel molotov (Rede Social/via TV Cultura)

Além disso, um processo de cassação do seu mandato está aberto na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) após o vazamento de áudios em que o deputado fez comentários sexistas sobre as mulheres ucranianas, afirmando que elas “são mais fáceis porque são pobres”. Por unanimidade, o Conselho de Ética já aprovou o pedido de cassação.

A ação do MPF foi movida após a representação do deputado estadual Emidio de Souza (PT-SP). Nas redes sociais, o político comemorou as investigações. “Além da misoginia e machismo, Arthur do Val admitiu ter ido à Ucrânia para fabricar coquetel-molotov e isso constitui uma grave violação a tratados internacionais do qual o Brasil é signatário”, declarou.

“Num momento em que o mundo clama por paz, um cidadão brasileiro, que para nossa tristeza ainda é deputado, atravessa o mundo alegando missão humanitária e vai fabricar armas incendiárias e desrespeitar as mulheres. Isso é absurdo e não vai ficar impune”, compartilhou Emidio.

Você usa o Telegram?

Entre em nosso canal no Telegram e receba nossas atualizações de notícias direto no seu celular. Basta clicar aqui

Compartilhe notícia

Artigos Relacionados

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.