MPF pede à Justiça fim de veto de Mário Frias a passaporte da vacina

Ação visa suspensão de portaria publicada por Mario Frias
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O Ministério Público Federal (MPF) recorreu nesta sexta-feira (12/11) à Justiça para que a exigência do passaporte sanitário seja permitida em eventos culturais financiados pela Lei Rouanet.

A ação visa derrubar uma portaria da Secretaria Especial da Cultura do governo federal publicada na segunda-feira. O texto proíbe a exigência de passaporte sanitário em projetos da Lei Rouanet.

Além de multa, a portaria do secretário Mário Frias, prevê reprovação dos projetos culturais que exigem comprovante de vacinação. O texto diz ainda que, nas cidades que exigem o comprovante, os eventos devem ser virtuais.

Mario Frias e Jair Bolsonaro (Reprodução)

O caso deve ser decidido pela 3ª Vara Federal Cível do Distrito Federal.

O passaporte sanitário ou passaporte da vacina foi adotado em algumas cidades para possibilitar que o acesso a determinados ambientes só possa ser feito por quem está imunizado contra a covid-19.

O presidente Jair Bolsonaro e seus aliados, como Mário Frias, são contra a adoção do passaporte.

Ingerência nas medidas sanitárias

A procuradora do MPF que assina a ação, Ana Carolina Roman, argumenta que não cabe a um órgão subordinado ao Ministério do Turismo, como é o caso da Secretaria de Cultura, determinar medidas que devem ser tomadas contra a covid-29. Essas medidas, segundo ela, devem ser de competência das secretarias de Saúde de estados e municípios.

“A norma, além de estar em descompasso com o que se espera dos órgãos públicos no atual cenário epidemiológico, está maculada de outros vícios que impedem a produção de seus efeitos no ordenamento jurídico”, afirma.

“O comprovante de vacinação ou quaisquer formas de ‘passaporte sanitário’ não são mecanismos para cercear arbitrariamente direitos individuais, mas sim instrumentos de proteção da coletividade e de manutenção da saúde pública”, diz o texto.

O MPF pede que a Justiça suspenda liminarmente a portaria, que o governo federal deixe de editar normas que dificultem a implantação de restrições sanitárias em eventos culturais e que o Ministério da Saúde forneça dados técnicos sobre o conteúdo da norma editada pela Secretaria Especial da Cultura.

Criada em 1991, a Lei de Incentivo à Cultura, conhecida como Lei Rouanet, autoriza produtores a buscarem investimento privado no financiamento de atividades culturais. Em troca, as empresas podem abater parcela do valor investido no Imposto de Renda.

Por Deutsche Welle
md (ots)

Você usa o Telegram?

Entre em nosso canal no Telegram e receba nossas atualizações de notícias direto no seu celular. Basta clicar aqui

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.