‘Seremos uma família’, diz Bolsonaro ao se filiar ao 9º partido político

Eleito pelo PSL, Jair Bolsonaro estava sem partido havia dois anos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O presidente Jair Bolsonaro se filiou nesta terça-feira, 30, ao Partido Liberal, em Brasília. Bolsonaro estava há dois anos sem partido depois de abandonar o PSL em novembro de 2019 para criar, sem sucesso, seu próprio partido, o Aliança pelo Brasil. O PL se torna o 9º partido a receber Bolsonaro, foram: Partido Democrata Cristão (PDC) 1989-1993; Partido Progressista Reformador (PPR) 1993-1995; Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) 2003 – 2005; Partido da Frente Liberal (PFL) 2005; Partido Progressista (PP) 2005 – 2016; Partido Social Cristão (PSC) 2016 – 2018; e por fim, Partido Social Liberal 2018 – 2019.

Em seu discurso, Bolsonaro citou as conquistas do governo elencando alguns de seus ministros presentes no evento como Teresa Cristina (Agricultura), Paulo Guedes (Economia) e Tarsício de Freitas (Infraestrutura). O presidente agradeceu a confiança do partido.

“É motivo de orgulho muito grande estar aqui. Agradeço a confiança que o Valdemar da Costa Neto depositou em mim, me acolhendo agora para fazer parte do seu partido. Quero agradecer a todos vocês, a Deus por este momento e dizer que cada vez mais estamos juntos no mesmo ideal. E sempre o Brasil acima de tudo e Deus acima de todos”, concluiu Bolsonaro antes da assinatura da ficha de filiação ao PL.

Jair Bolsonaro, de terno escuro e gravata azul, fala ao microfone enquanto outros homens de terno e gravata ao fundo acompanham.
Jair Bolsonaro, Presidente da República (Arquivo/Isac Nóbrega/PR)

Antes, porém, Bolsonaro pediu ao pastor e deputado federal Marcos Feliciano que fizesse uma oração em claro aceno aos evangélicos.

Jair Bolsonaro “casou” com o PL depois de muita conversa com o presidente da sigla, Valdemar Costa Neto. Bolsonaro exigiu que o partido não faça qualquer aliança com partidos de esquerda em 2022 e indicou alguns nomes para disputas regionais como o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, para o governo de São Paulo e o ministro da Cidadania, João Roma, para o governo da Bahia. Costa Neto precisou cancelar acordos firmados anteriormente para abrigar o presidente. Estas negociações foram o motivo de Bolsonaro adiar sua filiação prevista para o dia 22 de novembro. Antes, o presidente cogitou a possibilidade de filiar ao Progressistas (PP), partido do ministro-chefe da Casa Civil Ciro Nogueira.

“O Ciro [Nogueira, ministro-chefe da Casa Civil] aqui do meu lado, não foi fácil essa decisão. Ele sempre tentando puxar a brasa para sua sardinha. Obviamente, isso nos deixa bastante feliz, sinal que somos queridos.” Outras personalidades do PP acompanharam o evento como o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira e o líder do governo Ricardo Barros. Além de Bolsonaro, também se filiaram o senador Flávio Bolsonaro, de saída do Patriota, e o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

Durante seu discurso, Bolsonaro negou que o evento seja para lançar qualquer candidato, mas fez referência a Tarsício de Freitas dizendo que tem grandes expectativas em sua candidatura: “uma esperança enorme para nosso Estado de São Paulo”. E contrariando rumores, o presidente afirmou não decidirá sozinho os candidatos regionais. “Eu e Valdemar não seremos pessoas que vão decidir certas coisas sozinhos. A nossa visão vai passar por vocês. Nós queremos compor e fazer o melhor para nosso Brasil”, disse Bolsonaro.

Relembrando bandeiras e marcos do Governo Bolsonaro, Valdemar Costa Neto felicitou o presidente e disse que “faltava um nome que representava o projeto para o Brasil” no PL. “Temos a noção exata da nossa responsabilidade ao empunhar as bandeiras de sua obra a frente de um governo que nunca se intimidou. Este é o Brasil que também está sendo construído, este é o Brasil que vamos abraçar para prosperar”, concluiu o Costa Neto em seguida cumprimentando Bolsonaro.

Pré-candidatos

Além de Jair Bolsonaro agora no PL, mais outros 10 nomes já estão postos para a disputa eleitoral do ano que vem. Rival do presidente, Luiz Inácio Lula da Silva do PT, lidera todas as intenções de votos nas pesquisas e considerado garantido no segundo turno das eleições. Sergio Moro, que se filiou recentemente ao Podemos, já está em plena pré-campanha conversando com empresários e lideranças políticas. Pelo PDT, Ciro Gomes não esconde seu desejo de estar no pleito de 2022 e há meses tem frequentado vários programas populares na internet.

Depois do embrólio das prévias do PSDB, João Doria foi escolhido pelo partido como pré-candidato mas declarou há pouco tempo que abandonaria a candidatura para apoiar um nome competitivo na terceira via. Gilberto Kassab, cacique do PSD, lançou o presidente do Senado Rodrigo Pacheco dizendo que ele é um o Brasil precisa de um nome conciliador. O MDB lançou a senadora Sinome Tebet depois de seu protagonismo na CPI da Pandemia, porém interlocutores acreditam que o partido retire a candidatura para apoiar outro candidato.

Completam a lista, o senador Alessandro Vieira do Cidadania, que anunciou sua candidatura em setembro aproveitando a esteira da CPI da Pandemia; Felipe d’Avila foi lançado pelo Novo depois de discussões interna entre ele e João Amoêdo; o deputado federal pelo Avante André Janone; e Cabo Daciolo, divulgado pelo Brasil 35 em outubro.

Por Wesley Diego, da Agência Cenarium

Você usa o Telegram?

Entre em nosso canal no Telegram e receba nossas atualizações de notícias direto no seu celular. Basta clicar aqui

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *