STJ nega recurso e mantém presos Beto Richa e a esposa

Casal está preso em uma unidade da Polícia Militar, no Paraná.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou hoje (13) habeas corpus em favor do ex-governador do Paraná, Beto Richa. Liminarmente, a ministra também indeferiu pedido feito pela ex-primeira dama do estado e ex-secretária da Família, Fernanda Richa. Eles estão detidos provisoriamente no Regimento da Polícia Montada, da Polícia Militar, em Curitiba.

O ex-governador e a mulher foram presos na manhjã de terça-feira (11), em uma operação do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Eles foram detidos no âmbito da Operação Rádio Patrulha, que investiga o direcionamento de licitação para beneficiar empresários e o pagamento de propina a agentes públicos, além de lavagem de dinheiro no programa do governo estadual Patrulha do Campo, utilizado para locação de máquinas para manter as estradas rurais.

O HC foi encaminhado ao STJ pelos advogados de Beto Richa na manhã desta quinta-feira, após o Tribunal de Justiça (TJ-PR) do estado também negar o pedido de Richa. Em decisão divulgada ontem (12) à noite, o desembargador Laertes Ferreira Gomes, do TJ-PR, afirmou que a prisão de Beto e Fernanda Richa é necessária “para evitar que eles e os demais detidos deturpem a investigação que está em curso, orientando testemunhas e destruindo ou alterando documentos”.

Também foram presos na operação Pepe Richa, irmão do ex-governador e ex-secretário de Infraestrutura, Ezequias Moreira, ex-secretário de cerimonial e Luiz Abib Antoun, além de empresários.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas