Caminhoneiros falam em nova greve e ANTT se posiciona para evitar paralisação

Nova greve seria depois do feriado de 7 de setembro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Caminhões parados na BR 101, em Niterói-Manilha, na altura de Itaboraí, no Rio de Janeiro, durante greve em maio deste ano (Thomaz Silva/Agência Brasil)

 

Depois de uma nova ameaça de greve dos caminhoneiros, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) divulgou nota na noite deste sábado (1). Apesar de outras entidades que representam os caminhoneiros negarem a possibilidade de greve, a União dos Caminhoneiros do Brasil havia publicado um comunicado no qual diz que fará uma nova paralisação em dez dias, protestando contra a falta de fiscalização da Agência para o cumprimento da tabela do frente. O comunicado cita também o reajuste do diesel de 13,03%, autorizado nas refinarias na última sexta-feira (31).

Na nota divulgada, a ANTT informou que irá ajustar a tabela de fretes por causa da variação do preço do óleo diesel. De acordo com a ANTT, a Lei 13.703, de 2018, prevê que uma nova tabela com frete mínimo deve ser publicada quando houver oscilação superior a 10% no preço do óleo diesel no mercado nacional. A lei instituiu a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas.

Com o aumento de sexta, o preço passou de R$ 2,0316 para R$ 2,2964. É o primeiro rejauste desde junho, quando, em acordo com os caminhoneiros em greve, o governo congelou o preço do produto nas refinarias em R$ 2,0316 por litro.

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Felix, disse que o governo não deve atuar para conter a alta do preço do diesel, por falta de recursos para uma nova tentativa de estabilização dos valores.

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) realizou audiência pública sobre a tabela de frete, que foi contestada na Corte. Foram ouvidos representantes do setor produtivo e dos caminhoneiros, que apresentaram argumentos contra e a favor da tabela mínima do frete, criada em maio pelo governo via medida provisória e convertida em lei pelo Congresso, neste mês. Após a audiência pública, o ministro Luiz Fux afirmou que levará as três ações diretas de inconstitucionalidade (ADIs) sobre o assunto para análise diretamente no plenário da Corte.

No último dia 29, a ANTT também alertou que o descumprimento da cobrança do preço mínimo do frete pode implicar em multa. Na nota, a ANTT lembra que está em vigor resolução que trata do frete mínimo “até que se encerrem todos os trâmites administrativos necessários para a publicação de nova norma que trata dos pisos mínimos de frete”.

Comunicado divulgado pela União dos Caminhoneiros do Brasil (Poder360/Reprodução)

*com informações da Agência Brasil

*atualizado às 17h23

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas