Comércio paulista deve crescer apenas 1% em dezembro

Estudo chama de retrocesso a fase amarela do Plano São Paulo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Avenida Paulista, em São Paulo (Roberto Parizotti/Fotos Públicas)

Dezembro deve registrar crescimento de 1% nas vendas do comércio paulista na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo estimativas da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (PCCV), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). O estudo considera o retrocesso do estado à fase Amarela do Plano São Paulo, anunciada pelo governo estadual na última segunda-feira (30).

Para a FecomercioSP, se o 13º salário seguisse os padrões do ano passado e o auxílio emergencial do governo federal por conta da pandemia se mantivesse com o valor inicial de R$ 600,00, o crescimento das vendas do comércio poderia chegar a 10%.

“Enquanto em 2019 as famílias paulistas gastaram R$ 15,3 bilhões do valor do 13º salário, agora no consumo a previsão é que o montante seja de R$ 10,3 bilhões, ou seja, R$ 4,9 bilhões a menos na economia, o que significa uma redução de 32,4%”, disse a FecomercioSP.

Supermercados vão faturar mais 15%

Segundo a pesquisa, o aumento de 1% nas vendas do comércio paulista no fim deste ano deve ser liderado pelas  lojas de materiais de construção (crescimento de  43%) e de autopeças e acessórios para veículos (25%). Os supermercados também devem faturar mais (15%) ante dezembro do ano passado.

Entre os destaques negativos, figuram lojas de roupas e calçados, que vão vender 37% a menos do que em dezembro de 2019, e concessionárias de veículos: queda de 14%.

“A melhora de 1% nas vendas se deve também ao fato de que os preços de produtos geralmente para presentes de Natal cairão 2,48% em 2020. Enquanto itens como computadores (19,7%), jóias (17,01%) e televisores (11,36%) estão mais caros, os artigos de vestuário situam-se 6,81% mais baratos, mesma situação dos brinquedos (-8,14%)”, explicou a entidade.

Com menos dinheiro no mercado, o comércio paulista deve faturar, ao fim do mês, R$ 79,2 bilhões contra R$ 84,2 bilhões de dezembro de 2019.

Por Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas