Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Menor de 12 anos foi morto com tiro pelas costas, diz ouvidoria

Órgão afirma: não houve confronto, contrariando alegação policial.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Por Mariana Ferrari e Maria Teresa Cruz

Miguel de Souza tinha apenas 12 anos (Reprodução)


Sem resitência e com um tiro nas costas. Foi assim que Miguel de Souza, 12 anos, morreu depois de uma perseguição policial em São José dos Campos, interior de São Paulo. O Relatório da Ouvidoria, divulgado nesta sexta-feira (25), contesta a versão oficial, que alegava confronto e ação em legítima defesa.

“Pelas fotos do laudo de local é possível verificar que a vítima foi morta quando saía do banco de trás do veículo e, segundo testemunhas, não estava armado. O laudo necroscópico aponta que o primeiro tiro atingiu a vítima na parte posterior, ou seja, quando ela estava de costas”, diz o documento. 

O laudo nescrocópio aponta que Miguel foi atingido com arma de fogo duas vezes: um tiro no tórax esquerdo e outro no braço, que atravessou e também atingiu o tórax. 

A mãe de Miguel, Andréa Gonçalves, 36 anos, disse que semanas antes o cabo Thiago Santos Sudré, conhecido na região como “Carioca”, apareceu na casa da família com Miguel muito machucado e ameaçou matar o menino, caso o encontrasse novamente na rua.

“Mandei ele [Carioca] sentar no sofá e falei que meu filho era doente, um dependente químico. Foi onde ele falou assim pra mim: ‘Mãe, a senhora compra um caixão pequeno que se eu pegar o seu filho na rua eu vou matar ele”, disse em entrevista à Ponte. 

O ouvidor Benedito Mariano avalia o caso como “muito grave”. “Se comprovado o que foi dito pela mãe, de que duas semanas antes o policial teria ido até sua casa dizendo que se encontrasse o garoto iria matá-lo, é algo muito grave. É indício de crime premeditado, é muito grave. Dos casos que atendo, não vi nenhuma situação parecida. É grave”, disse à Ponte.

A perseguição do dia 6 de setembro começou, de acordo com o boletim de ocorrência, depois que policiais em patrulhamento identificaram um carro Volkswagen, modelo FOX. Os oficiais pediram para o motorista parar, mas não foram respeitados. Nesse momento há controvérsia entre a versão oficial e o laudo da Ouvidoria. 

Os PMs da ação disseram que Miguel estava armado e que não largou a arma após solicitação. Já a Ouvidoria aponta morte sem resistência e sem confronto. Três menores, de 17, 14 e 13 anos, foram detidos e levados para a Fundação Casa. A vítima do roubo não reconhece nenhum dos suspeitos como o assaltante do veículo. 

Desde o dia em que perdeu seu filho, Andréia passou a ser ameaçada e foi buscar proteção na casa de parentes. Segundo ela, o apartamento onde a família morava, no Parque dos Ipês, periferia de São José dos Campos, foi invadido. “Entrou para quê? Me amedrontar? Eu recebi várias ameaças pelo Facebook, de fake, que a polícia da corregedoria vai ver quem são”, afirma.

Devido as ameaças, Mariano explica que Andréa foi incluída no quadro do Porgrama de Proteção a Testemunhas no Brasil (Provita) – que tem uma série de restrições, como afastamento de familiares e amigos, manter o local de abrigamento em sigilo, etc – e que todos os laudos foram formalizados ao corregedor. “Evidentemente precisa ser investigado pelo delegado responsável em São José dos Campos”, completa.

Fama de matador

O laudo da ouvidoria também destaca que o cabo Thiago Santos Sudré já matou outras oito pessoas durante a carreira. Em São José dos Campos o PM é conhecido pelo vulgo “Carioca” e familiares do Miguel alegam que ele atua com truculência na periferia da cidade. 

As novas mortes do policial, incluindo a de Miguel, aconteceram entre janeiro de 2011 e setembro deste ano. “Eu quero justiça. Eu não tenho nada contra a Polícia Militar, o meu problema é só com esse policial”, completou Andréa em entrevista à Ponte.

A reportagem questionou a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) sobre a divulgação do relatório e se alguma atitude foi tomada em relação ao cabo Thiago Santos Sudré, o “Carioca”. Até a publicação desta reportagem, não houve resposta.

*Esta reportagem foi publicada originalmente neste link: https://ponte.org/menino-de-12-anos-foi-morto-pela-pm-de-sp-sem-resistencia-afirma-ouvidor/

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país

Outras - notícias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest