Morre João W. Nery, primeiro homem trans do Brasil

João era casado e deixa um filho.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Psicólogo e escritor transexual João W. Nery, primeiro transgênero masculino a ser operado no Brasil, em redesignação sexual feita no ano de 1977, que aos 68 anos enfrentava um câncer cerebral estágio 3. (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Morreu nesta sexta-feira (26), aos 68 anos, João W. Nery, primeiro homem transexual a passar por cirurgia de redesignação no Brasil, em 1977. A informação foi confirmada por meio de comunicado do Instituto Brasileiro de Transmasculinidades.

“É com muita tristeza que informamos o falecimento do nosso querido João W. Nery. Como era de conhecimento de todos, ele vinha lutando contra o câncer, mas veio a falecer. Mesmo que estejamos tristes, pois sabemos do tamanho do amor que temos por João, sabemos agora que o sofrimento dele se findou. A nós, fica o compromisso e a responsabilidade de não deixarmos que as lembranças se percam e que mantenhamos João vivo em nós e nas nossas histórias”, diz o comunicado divulgado na rede Facebook. 

Escritor e psicólogo, Nery lutava contra um câncer no pulmão, que chegou ao cérebro. A primeira sessão de radioterapia cerebral ocorreu no mês passado.



Nery concedeu entrevista à Agência Brasil em setembro deste ano quando contou sobre o novo livro que estava preparando: Velhice Transviada, uma biografia atualizada do ativista, suas reflexões sobre a transexualidade na velhice e colaborações de outros LGBTs idosos.

“A velhice na nossa cultura é a partir dos 60, mas se uma mulher trans, por exemplo, fez 50, ela já é uma sobrevivente. Já pode se considerar uma mulher velha. E não tem asilo para os trans velhos, não tem saúde específica para atendê-los. Eles muitas vezes não têm estudo e não têm casa para morar”, disse à Agência Brasil.

Nery escreveu Erro de PessoaViagem Solitária e participou da coletânea Vidas Trans.

Nas redes sociais, o deputado federal Jean Wyllys lamentou a morte do amigo. “João, ao se tornar o primeiro homem trans brasileiro a realizar cirurgia de redesignação, contribuiu para transformar toda maneira como a cultura de nossa sociedade percebe e aceita as pessoas trans. Com seu trabalho intelectual, seus livros, palestras e diversas entrevistas e vídeos, ele gerou autoestima para as pessoas trans, tornando-se até analista e conselheiro de pessoas trans de todo país que lhe mandavam mensagens através das redes sociais”, disse o parlamentar, autor de um projeto de lei, inspirado em João Nery, que prevê o direito de retificação de registros vivis, mudança de nome, sexo e foto em documentos pessoais conforme a identidade de gênero, independentemente de cirurgia. A proposta tramita no Congresso Nacional. 



A Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) também divulgou nota lamentando a morte. “João era um homem especial, sempre a frente do seu tempo e preocupado em regar as sementes plantadas para germinar novos olhares sobre os trans homens (como ele gostava de se referir), ativistas, para levar a luta adiante.”

Nery era casado com Sheila Salewski. Ele deixa um filho.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas