Cidades

Pesquisadora estuda o comportamento de defesa dos cupins

Jardim Botânico de Diadema é fonte de pesquisa de estudantes.

Publicado por

Raquel Gamba/Prefeitura de Diadema

(Marcos Luiz/Prefeitura de Diadema/Reprodução)

Devido à área de Mata Atlântica preservada e a grande variedade de formigas no Jardim Botânico e Borboletário de Diadema, o local está sendo utilizado, neste ano, como fonte de pesquisa para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da aluna Alexia Satie Augusto, 22 anos, estudante de Ciências Biológicas da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), Campus Diadema. 

O trabalho acadêmico tem como tema “Estratégias de Defesa e Forrageamento nos Cupins Sem Soldados Anoplotermes Pacificus (Blattaria, Isoptera)”, que consiste no estudo do comportamentos de mecanismos de defesa dessa espécie de cupim contra seus predadores e a sua dinâmica de busca por alimento. 

“Como faço experimentos para saber quais são os mecanismos de defesa que esses cupins sem soldado possuem, utilizo predadores para poder analisar o tipo de defesa que eles adotam frente a um predador. No caso, as formigas são predadoras de cupins e acabo utilizando espécimes coletadas do Jardim Botânico”, afirma a estudante Alexia.

Para a secretária de Meio Ambiente, Tatiana Capel, o Jardim Botânico é muito importante para a área de pesquisa em meio ambiente e para a cidade. “Diadema tem muita Mata Atlântica. Então, temos muita procura de estudantes e pesquisadores da área. Trabalhamos para manter esse local disponível para a população, porque as pessoas, em geral, não têm muito conhecimento sobre o ciclo das borboletas. Muitos se interessam por meio dos filhos que vão ao Borboletário como passeio da escola e chegam em casa contando a experiência”, relata Tatiana Capel, se referindo às visitas de estudantes e também sobre outras pesquisas já realizadas no Borboletário.

Jardim Botânico e Borboletário 

(Marcos Luiz/Prefeitura de Diadema/Reprodução)

O Botânico

possui 3.000 m de trilhas e árvores nativas da Mata Atlântica como, jequitibá, jatobá, cambuci, quaresmeira e palmeiras jussara, essa última em risco de extinção. Em setembro, o espaço completou 13 anos.

“O Jardim Botânico basicamente é composto de pequenos animais, tartarugas, sapos e formigas, por exemplo. Às vezes, vemos tucano, arara, papagaio, joão de barro e até pica-pau, porque estamos no corredor da Serra do Mar e do Parque do Estado e eles usam a área como parada”, explica o biólogo José Vieira. 

No espaço, também existe um Borboletário, que tem capacidade para 7.000 borboletas. Atualmente, existem cerca de 1.200, quantidade típica para esta estação do ano. O local abriga quatro espécies, a Olho de Coruja (Caligo ilioneus), a Borboleta do Manacá (Methona themisto), a Borboleta da Couve (Ascia monuste) e a Rosa de Luto (Heraclides anchisíades).

(Marcos Luiz/Prefeitura de Diadema/Reprodução)

Agendamento

No passeio até o borboletário os visitantes podem conhecer a vida das borboletas em todos os seus estágios, ainda em ovos, depois na forma de lagartas e finalmente como pupas.

As visitas são monitoradas e os interessados devem agendar o passeio previamente pelo telefone 4059-7619.

As monitorias ocorrem de terça a sexta-feira das 9h às 11h e da 13h às 14h30.

Serviço

  • Jardim Botânico e Borboletário de Diadema
  • Rua Ipitá, 193 – Jardim Inamar
  • Tel.: 4059-7600 ou 4059-7619.

Esta postagem foi modificada pela última vez em 23 de setembro de 2018 00:10

Deixe um comentário
Compartilhar
Publicado por

Postagens recentes

Prédio de três andares desaba no Estado do Rio

Desabamento do prédio aconteceu no começo da manhã deste domingo Leia mais

24 de outubro de 2021

Preso traficante mais procurado da Colômbia

Presidente da Colômbia diz que é maior golpe no narcotráfico desde Pablo Escobar Leia mais

24 de outubro de 2021

Mega-sena acumula, mas 110 apostas marcam cinco dezenas

Acertadores da Mega-sena, têm 90 dias para retirar o prêmio Leia mais

24 de outubro de 2021