Empresa que vende barcos de luxo é alvo de operação

Empresa alvo da ação deve mais de meio bilhão para o Estado e a União
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Reprodução)

O Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (CIRA-SP) deflagrou, na manhã de hoje (22), a Operação Cavalo-marinho para cumprir 19 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça de Osasco. A ação acontece, além de Osasco, em São Paulo, Barueri, Itupeva, Jundiaí e Mairiporã.

Os investigadores apuram suposta prática de fraude fiscal estruturada no ramo de embarcações de luxo. Há também suspeita de crime de organização criminosa e lavagem de dinheiro. O alvo principal da operação, de acordo com o Ministério Público de São Paulo (MP-SP), é um dos maiores estaleiros da América Latina, responsável atualmente por uma dívida superior a R$ 54 milhões com o Estado de São Paulo e de aproximadamente R$ 490 milhões com a União, “fruto de contumaz e sistemática inadimplência tributária e uma sofisticada blindagem patrimonial”, diz nota do MP-SP.

“De acordo com as investigações, a fraude iniciava-se com a interposição de pessoas (laranjas) na estrutura societária das empresas do grupo econômico, sendo uma delas um conhecido cavaleiro. Da conjunção da atividade náutica com a prática do hipismo, surgiu o nome Operação Cavalo-marinho”, afirma.

Os promotores suspeitam que a venda de embarcações eram declaradas com valor menor ao praticado. O CIRA-SP é composto por integrantes da Secretaria da Fazenda e do Planejamento (SFP), do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) e da Procuradoria Geral do Estado (PGE). Além das instituições integrantes do CIRA-SP, a operação conta com a participação da Procuradoria Regional da Fazenda Nacional na 3ª Região (PRFN3) e com o apoio da Polícia Civil, através do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DOPE), e da Polícia Militar.

Participam da Operação Cavalo-marinho 16 promotores de Justiça, 11 servidores do Ministério Público, 45 agentes fiscais de Renda, 19 procuradores do Estado, 16 procuradores da Fazenda Nacional, além de 41 equipes das divisões de Captura e Garra da Polícia Civil e de policiais militares do Estado de São Paulo.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas