Franquia: Empresa que gerencia lixo eletrônico inicia expansão

Especializada em coletar e gerenciar todo tipo de lixo eletrônico, a Sucata Digital já processou mais de 800 toneladas de resíduos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Ilustrativa/Reprodução)

Fundada pelo empresário Nícolas Fonseca Martins, a Sucata Digital acaba de entrar para o mercado de franquias e tem como meta abrir duas unidades franqueadas nos próximos cinco meses. A empresa direciona a expansão para a região metropolitana de São Paulo, além do litoral e interior do estado.

Especializada em coletar e gerenciar todo tipo de lixo eletrônico, a Sucata Digital já processou mais de 800 toneladas de resíduos, como celulares velhos, computadores, componentes eletrônicos e aparelhos de televisão. O material recolhido é direcionado para empresas recicladoras parceiras.

“Você tem um ganho ambiental importante quando você direciona esse lixo para o destino certo”, destaca Nícolas.

Um dos projetos da empresa é a instalação da “Caixa Verde” para coletar o lixo eletrônico em pontos estratégicos da grande São Paulo. Dependendo da quantidade de material, a Sucata Digital compra esse lixo, processa o material e faz a destinação.

Atualmente, apenas 15% do volume de lixo gerenciado vêm de pessoas físicas. “Os empresários, cada vez mais, têm colocado em prática políticas de responsabilidade social. Dar destino correto ao lixo eletrônico é também uma forma de evitar o acúmulo dentro das empresas”, comenta.

Segundo a Organização das Nações Unidades (ONU), em 2016 foram gerados 44,7 milhões de toneladas métricas de resíduos eletrônicos no mundo. A previsão, segundo o relatório “Global E-Waste Monitor 2017”, desenvolvido pela Universidade da ONU e pela Associação Internacional de Resíduos Sólidos, é que esse volume cresça 17% e chegue a 52,2 milhões de toneladas métricas até 2021.

O mesmo levantamento indica que apenas 20% do total de lixo eletrônico produzido foram reciclados. “Há uma demanda mundial pela reciclagem desse material e há um mercado para ser explorado, transformando esse lixo em benefício social e financeiro”, finaliza Nícolas.

Para franquear o negócio, a Sucata Digital implantou um software de controle de estoque, no qual todos os franqueados lançarão o material coletado. A ideia é não gerar concorrência entre as franquias e conseguir negociações mais atraentes para o lote de lixo eletrônico gerenciado.

Para operar, cada franquia precisa de um galpão com tamanho a partir de 250 metros quadrados e um veículo para coleta. O investimento total, incluindo a taxa de franquia de R$ 35 mil, é a partir de R$ 60 mil.

Ficha técnica 

Ano de Fundação: 2015

Ano no Franchising: 2018

Formatos oferecidos: Modelo de rua

Unidades Próprias: 1

Investimento total: a partir de R$ 60 mil (Incluído capital de giro, taxa de franquia e instalação. Não inclui veículo e galpão)

Taxa de Franquia: R$ 35 mil

Capital de giro: R$ 12 mil

Área média para instalação: a partir de 250m²

Quantidade de funcionários: 4

Royalties: 5% do faturamento bruto

Taxa de Publicidade: 2% do faturamento bruto

Faturamento Médio: R$ 42 mil

Lucratividade: 31% (mês)

Prazo de Retorno Médio: 24 meses

*atualizado às 12h57

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas