Franquias ampliam o delivery para faturar na pandemia

Marcas viram nas entregas uma forma de incremento ao faturamento
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Uma pesquisa de Food Service realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), em parceria com a consultoria Galunion, aponta que, em agosto, o delivery dobrou sua participação no faturamento das redes entrevistadas, passando de 18% para 36%. Também cresceu a captura mista de pedidos (uso de canais próprios e marketplaces), que saltou de 45% (antes da pandemia) para 73%.

Outros movimentos importantes detectados foram a criação de novos canais/formas de venda, incluindo as cozinhas virtuais (dark kitchens), ajustes no cardápio/oferta de produtos e a digitalização nas interações com o consumidor. A pesquisa teve a participação de 85 marcas, representando R$ 20,6 bilhões e cerca de 15 mil unidades em todo o País.

O delivery foi alternativa de muitos restaurantes para manter o faturamento durante a pandemia. Mas, apesar do fechamento de algumas unidades, outras oportunidades de negócios surgiram derivadas da entrega dos pedidos em casa.

Água Doce Sabores do Brasil (Divulgação)

É o caso da rede de franquias Água Doce Sabores do Brasil, que enxergou no estoque de bebidas das unidades uma utilidade para faturar, além da venda de pratos. Em comunicado, o diretor de franquias da rede, Julio Bertolucci, disse que o chamado delivery de bebidas incrementou em 40% o faturamento das 80 unidades da marca. 

“Em parceria com os nossos fornecedores conseguimos articular preços competitivos no mercado e passamos a ser mini distribuidores locais de bebidas. O sucesso se deu porque, além de promover valores que competem com outros estabelecimentos, oferecemos drinks que colaboram para a experiência de consumo dos clientes”, comenta Julio.

Divino Fogão (Divulgação)

Na rede Divino Fogão não foi diferente, segundo a comunicado. Com todas as unidades localizadas dentro de shopping centers, o delivery – que antes era um agregador – se tornou uma parte importante para as unidades. São mais de 170 unidades espalhadas pelo Brasil e as entregas em domicílio cresceram de 600% durante a pandemia.

A procura pelo serviço permitiu que a franquia visualizasse uma oportunidade de negócio para ampliar o acesso dos consumidores aos pratos que são referência dentro do Divino Fogão. Com foco total no delivery, a rede lançou o projeto de Dark Kitchen, cozinhas invisíveis que atuam como parceiros na preparação e entrega dos produtos.

“A pandemia permitiu enxergar um gargalo que antes não era possível. Com o projeto, buscaremos parceiros com experiência em alimentação, como hotéis e lanchonetes, que tenham espaço físico e tempo ocioso das cozinhas para se dedicarem à produção de pratos exclusivos do Divino Fogão para delivery. Isto irá permitir a ampliação do raio de alcance das entregas, além de contribuir para que o licenciado rentabilize seu negócio, especialmente neste momento em que se ensaia uma retomada da economia. Até o final de 2021, a nossa expectativa é chegar a 600 cozinhas”, comenta Reinaldo Varela, fundador da rede conhecida pela comida típica de fazenda.

Mr. Cheney (Divulgação)

Mr. Cheney, rede de cookies tipicamente americanos, possui cerca de 95% de suas operações em shoppings. Com a obrigatoriedade do isolamento social, a rede teve que acelerar o projeto do primeiro e-commerce da marca e da plataforma própria de delivery.

“Da noite para o dia, o faturamento das 75 unidades caiu drasticamente por conta do fechamento dos shoppings. O delivery foi a única saída para muitos franqueados. Estávamos estruturando a loja on-line desde 2019, mas a pandemia acelerou a nossa estratégia”, explica Lindolfo Paiva, sócio fundador do Mr. Cheney via nota distribuída à imprensa.

Ainda segundo Paiva, no ano passado, a média de participação das vendas on-lineda rede era de 5% e, com o atual cenário, passou a ser de 26% no último trimestre, o que representa um crescimento de 422%.

“Tivemos que nos adaptar de uma forma rápida, justamente para minimizar os impactos do outro lado da ponta. Como a digitalização já era uma realidade para nós, só apertamos o start e oferecemos os devidos treinamentos aos lojistas. A evolução foi muito positiva e os nossos clientes receptivos com a novidade”, explica o executivo da rede que conta com um aplicativo próprio de entregas.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas