Como Clarice Lispector conquistou o público estrangeiro

Cem anos após seu nascimento, escritora soma mais de 300 edições traduzidas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Clarice Lispector (Instituto Moreira Salles/Reprodução)

Clarice Lispector (1920-1977) não gostava da primeira tradução para o francês de seu romance Perto do Coração Selvagem. Lançado como Près du Coeur Sauvage pela editora Plon em 1954, o trabalho a desagradou e motivou uma carta da escritora ao responsável. Ao longo da vida, ela preferia desconsiderar a obra, fingir que nunca havia existido.

Contudo, mesmo com a desaprovação da autora, o livro inaugurou a seara internacional de Lispector. “[Com essa tradução], os franceses puderam conhecer e se encantar pela história de Joana, a menina que, numa vertiginosa primeira pessoa, relata episódios de sua vida. Depois, foi traduzida para o espanhol. E não parou mais”, comenta à DW Brasil a escritora e crítica literária Marisa Lajolo, professora na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Aos poucos, a escritora brasileira, nascida na Ucrânia em 10 de dezembro de 1920, se tornaria uma das mais importantes da literatura nacional, com voz ressonante em pelo menos 20 países e reconhecimento da crítica especializada.

De acordo com levantamento feito para a DW Brasil pela biógrafa Nádia Battella Gotlib –autora de Clarice: uma vida que se conta –, professora e pesquisadora na Universidade de São Paulo, a escritora soma um total de 308 edições de livros traduzidos, desconsiderando edições de contos e crônicas em coletâneas. A partir da estreia francesa, a progressão jamais parou.

“No ano seguinte [1955], já houve seis traduções, incluindo A Maçã no Escuro para o inglês, pelo renomado tradutor Gregory Rabassa (1922-2016]”, pontua Gotlib. “Em 2010, havia mais de 185 edições de obras traduzidas em 20 países. Entre eles, traduções para o japonês, sueco, hebraico, truco, dinamarquês, finlandês, etc.”

Clarice Lispector durante entrevista à TV Cultura (Instituto Moreira Salles/Reprodução)

Na última década, houve um boom – para a biógrafa, a fama de Lispector ganhou nova fama com a popularização da internet. “De 2010 para 2020, contando com tal instrumento estimulador da divulgação, o número de traduções continuou aumentando: tenho o registro de mais 123 edições de livros”, diz.

Caráter universal

Especialistas ouvidos pela DW Brasil concordam que são três os fatores que fizeram de Clarice Lispector um sucesso no exterior: a circulação internacional da própria autora, sua atividade na imprensa da época e, claro, o caráter universal de sua obra.

Lispector foi casada, de 1943 a 1959, com o diplomata brasileiro Maury Gurgel Valente (1921-1994). Por conta dos trabalhos dele, o casal viajou o mundo. Chegaram a passar uma temporada em Nápoles, na Itália, e moraram em Berna, na Suíça, em Torquay, na Inglaterra, e em Washington, nos Estados Unidos.

Formada em Direito, a escritora sempre publicou em jornais e revistas. Essa relação estreita com o jornalismo também a aproximou da crítica especializada, facilitando a divulgação de sua obra. Mas nem sua vivência internacional nem seu acesso à mídia bastariam, não fosse o talento expressado em seu trabalho.

“A qualidade da sua obra é o grande fator do sucesso internacional”, afirma Lajolo. “Mas circulação internacional é também fruto de um certo capital social de um escritor. Sua editora, sua profissão, seu círculo social, sua presença na mídia… Esses elementos, desarticulados de textos bem escritos e de temas relevantes, não funcionam. Ou podem funcionar apenas em um primeiro momento. A permanência de um autor no horizonte literário internacional depende da qualidade de sua obra. E Clarice esbanja esta qualidade”, considera.

“Ninguém passa incólume por Clarice Lispector, porque a obra dela se propõe a revelar o mais íntimo do ser”, diz à DW Brasil o pesquisador Diego Luiz Miiller Fascina, professor na Universidade Estadual de Maringá e no Centro Universitário de Maringá e autor do livro Clarice Lispector: uma leitura materialista lacaniana. “Trata-se de uma escritora inovadora, que problematiza o ser e o dizer em todos os seus textos de uma maneira que, desde o seu surgimento, não havia sido experimentado no Brasil.”

Centenário como oportunidade

A biógrafa Gotlib vê no centenário do nascimento de Lispector a oportunidade para que o olhar sobre sua obra seja atualizado.

“As comemorações comprovam a importância da recepção de Clarice no Brasil e no exterior. Tenho participado de eventos on-line em vários estados do Brasil e também em países como Portugal, Ucrânia, Itália, Estados Unidos, Angola e Moçambique. É uma prova de que há interesse enorme em sua literatura”, diz.

Em 2009, o escritor e historiador americano Benjamin Moser publicou uma biografia – Why This World: A Biography of Clarice Lispector, no Brasil lançada como Clarice, uma biografia – que contribuiu para aumentar a fama internacional da brasileira. “Depois, ele traduziu alguns textos dela. Isso também ajudou na divulgação da obra”, comenta Fascina.

A partir de então, a editora britânica Penguin Books, em projeto liderado por Moser, passou a publicar novas edições da obra de Lispector, com traduções atualizadas e caprichadas.

“Clarice, cada vez mais, é lida, apreciada e estudada fora do Brasil”, afirma Fascina. “Várias universidades no exterior, sobretudo em Portugal e nos Estados Unidos, ofertam cursos sobre a obra de Clarice, muitos pesquisadores brasileiros também divulgam a obra dela, seja através de eventos acadêmicos em vários lugares do mundo, estágios de pós-doutorado no exterior, além da crítica acadêmica, lá de fora, que também se debruça sobre a obra dela.”

Por Edison Veiga, da Deutsche Welle

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas