Categorias Cultura

Exposição retrata o cotidiano brasileiro do século 19

Publicado por

Por Daniel Mello

Um Cronista Viajante, Johann Moritz Rugendas (Agência Brasil/Reprodução)

As paisagens, as pessoas e o cotidiano do Brasil no século 19 a partir do olhar do artista alemão Johann Moritz Rugendas podem ser vistos a partir de hoje (12) na Caixa Cultural, no centro paulistano. Pintor, desenhista, ilustrador, aquarelista e litógrafo, produziu um dos mais importantes registros do país à época, ao lado de outros artistas, como o francês Jean Baptiste Debret.

Rugendas veio para o Brasil em 1821, ano em que completou 20 anos de idade, para fazer parte da Expedição Langsdorff, que, patrocinada pelo império russo, pretendia elaborar um inventário da então colônia. Os trabalhos desse contato inicial são marcados, segundo a curadora da exposição, Ângela Ancora da Luz, pelo impacto do novo ambiente no jovem artista.

“Ele chega com um olhar habituado aquela luz menos incidente nos objetos, de invernos longos e escuros, de verões que não tem aquela claridade como ele vai encontrar no Brasil. Quando ele chega aqui ele se deslumbra com a luz tropical, com a exuberância da vegetação tropical, dos tipos diferentes”, analisou a curadora Ângela Âncora.

Influências



Segundo Ângela Âncora, as pinturas e gravuras feitas por Rugendas tiveram influência estética do romantismo, em que o autor traz a carga emocional causada pelas experiências levadas à tela. Mesmo assim, a produção tem um forte caráter documental.

“Ele [Rugendas] representa não só a fauna e a flora, como os costumes, as danças, os tipos etnográficos do índio e do negro. Ele faz um álbum de documentação do que ele via no século 19”, enfatizou a curadora.

A vivência no país vai tornando o artista mais atento aos detalhes e cenas do dia a dia. “Primeiro, nos temos um Rugendas que vê de longe, de fora, quando ele chega. Depois um outro Rugendas, quando ele já está aqui, que o seu olho já se habituou a essa exuberância toda. Então, o primeiro registro é muito mais panorâmico, enquanto o segundo registro é muito mais singular”, acrescentou a curadora.

Obra de Johann Moritz Rugendas (Agência Brasil/Reprodução)


Inspiração

O recorte da exposição reúne 70 obras em três eixos temáticos: um com paisagens do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso e Minas Gerais, um seguinte com cenas cotidianas e um último, retratando a fauna e a flora. Todos os trabalhos vem de coleções particulares, por isso, nem sempre disponíveis ao público.

A exposição pode ser vista até o dia 31 de março, de terça-feira a domingo, das 9h às 19h, na Caixa Cultural, na Praça da Sé. A entrada é gratuita.

Esta postagem foi modificada pela última vez em 13 de janeiro de 2019 12:38

Deixe um comentário
Compartilhar
Publicado por

Postagens recentes

Japão declara abertos os Jogos Olímpicos de Tóquio

Após um ano de atraso, cerimônia de abertura aconteceu sem público Leia mais

23 de julho de 2021

11 franquias a partir de R$4,9 mil para quem ficou desempregado na pandemia

Confiança do comércio aumentou em junho e chegou ao maior nível desde setembro de 2020 Leia mais

23 de julho de 2021

Franqueados dobram aposta em rede de lavanderias

Lavanderia 5àsec inaugurou este mês duas novas unidades em São Paulo Leia mais

23 de julho de 2021

Esse website utiliza cookies.