Gilberto Gil é o mais novo “imortal” da ABL

Gilberto Gil é o segundo negro na atual composição da ABL
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O cantor e compositor Gilberto Gil, de 79 anos, é o mais novo imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL). Ele vai passar a ocupar a cadeira 20, que pertencia ao jornalista Murilo Melo Filho.

Gil foi eleito nesta quinta-feira (11/11) num evento no palacete Petit Trianon, no Rio de Janeiro, uma semana após a atriz Fernanda Montenegro, de 92 anos, ter sido eleita, sem concorrentes, para a cadeira 17. Os ingressos de Montenegro e Gil vêm sendo encarados como uma mudança de rumo na ABL e uma abertura para outros ramos da cultura além da literatura.

“Muito feliz em ser eleito para a cadeira 20 da Academia Brasileira de Letras. Obrigado a todos pela torcida e obrigado aos agora colegas de Academia pela escolha”, escreveu o músico após a eleição.

Gilberto Gil no palco, diante do público, batendo palma com o violão preso ao corpo.
Gilberto Gil, novo “imortal” (Ricardo Stuckert/via Fotos Públicas)

“Gilberto Gil traduz o diálogo entre a cultura erudita e a cultura popular. Poeta de um Brasil profundo e cosmopolita. Atento a todos os apelos e demandas de nosso povo. Nós o recebemos com afeto e alegria”, declarou o presidente da ABL, Marco Lucchesi.

Gil deve assumir oficialmente a cadeira em março de 2022, quando a ABL voltar do recesso de fim de ano.

Ministro da Cultura entre 2003 a 2008, Gil é um dos principais expoentes da Tropicália e sua carreira se confunde com a música brasileira desde os anos 1960.

Além de Gil, concorreram também para a cadeira 20 o poeta Salgado Maranhão e o escritor Ricardo Daun, mas o músico venceu com 21 votos.

Os imortais

Seguindo o modelo da Academia Francesa, a ABL é constituída por 40 membros efetivos e vitalícios, apelidados de “imortais”. Além desse quadro composto por brasileiros, existem 20 membros correspondentes estrangeiros.

Quando um membro da ABL morre, a cadeira é declarada vaga numa sessão denominada “Saudade”. Os interessados em ocupar a vaga têm dois meses para se candidatar.

A cadeira 20 tem como patrono o romancista e jornalista Joaquim Manuel de Macedo (1820-1882), autor do clássico A Moreninha, e já pertenceu a um dos fundadores da ABL, Salvador de Mendonça (1841-1913).

Também já ocuparam essa cadeira o poeta Emílio de Meneses, o jornalista Humberto de Campos, o escritor Múcio Leão e o general Aurélio de Lyra Tavares – este último um dos integrantes da junta governativa provisória de 1969, durante a ditadura militar.

O ingresso de Gil e Montenegro nos últimos dias devem diminuir um pouco a falta de diversidade da casa. Com Gil, haverá dois negros entre a atual composição dos “imortais”. O outro é o pesquisador Domício Proença Filho. Já a atriz Montenegro se tornou a nona mulher a ocupar uma cadeira da ABL em 124 anos.

Por Deutsche Welle
jps/ek (ots)

Você usa o Telegram?

Entre em nosso canal no Telegram e receba nossas atualizações de notícias direto no seu celular. Basta clicar aqui

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *