Gilberto Gil é o mais novo “imortal” da ABL

Gilberto Gil é o segundo negro na atual composição da ABL
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O cantor e compositor Gilberto Gil, de 79 anos, é o mais novo imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL). Ele vai passar a ocupar a cadeira 20, que pertencia ao jornalista Murilo Melo Filho.

Gil foi eleito nesta quinta-feira (11/11) num evento no palacete Petit Trianon, no Rio de Janeiro, uma semana após a atriz Fernanda Montenegro, de 92 anos, ter sido eleita, sem concorrentes, para a cadeira 17. Os ingressos de Montenegro e Gil vêm sendo encarados como uma mudança de rumo na ABL e uma abertura para outros ramos da cultura além da literatura.

“Muito feliz em ser eleito para a cadeira 20 da Academia Brasileira de Letras. Obrigado a todos pela torcida e obrigado aos agora colegas de Academia pela escolha”, escreveu o músico após a eleição.

Gilberto Gil no palco, diante do público, batendo palma com o violão preso ao corpo.
Gilberto Gil, novo “imortal” (Ricardo Stuckert/via Fotos Públicas)

“Gilberto Gil traduz o diálogo entre a cultura erudita e a cultura popular. Poeta de um Brasil profundo e cosmopolita. Atento a todos os apelos e demandas de nosso povo. Nós o recebemos com afeto e alegria”, declarou o presidente da ABL, Marco Lucchesi.

Gil deve assumir oficialmente a cadeira em março de 2022, quando a ABL voltar do recesso de fim de ano.

Ministro da Cultura entre 2003 a 2008, Gil é um dos principais expoentes da Tropicália e sua carreira se confunde com a música brasileira desde os anos 1960.

Além de Gil, concorreram também para a cadeira 20 o poeta Salgado Maranhão e o escritor Ricardo Daun, mas o músico venceu com 21 votos.

Os imortais

Seguindo o modelo da Academia Francesa, a ABL é constituída por 40 membros efetivos e vitalícios, apelidados de “imortais”. Além desse quadro composto por brasileiros, existem 20 membros correspondentes estrangeiros.

Quando um membro da ABL morre, a cadeira é declarada vaga numa sessão denominada “Saudade”. Os interessados em ocupar a vaga têm dois meses para se candidatar.

A cadeira 20 tem como patrono o romancista e jornalista Joaquim Manuel de Macedo (1820-1882), autor do clássico A Moreninha, e já pertenceu a um dos fundadores da ABL, Salvador de Mendonça (1841-1913).

Também já ocuparam essa cadeira o poeta Emílio de Meneses, o jornalista Humberto de Campos, o escritor Múcio Leão e o general Aurélio de Lyra Tavares – este último um dos integrantes da junta governativa provisória de 1969, durante a ditadura militar.

O ingresso de Gil e Montenegro nos últimos dias devem diminuir um pouco a falta de diversidade da casa. Com Gil, haverá dois negros entre a atual composição dos “imortais”. O outro é o pesquisador Domício Proença Filho. Já a atriz Montenegro se tornou a nona mulher a ocupar uma cadeira da ABL em 124 anos.

Por Deutsche Welle
jps/ek (ots)

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas