Concílio da Destruição reestreia com ingressos gratuitos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

E se o mundo estivesse superlotado de obras de arte, qual seria o possível destino delas? Escrita por Carlos Canhameiro, o espetáculo ‘Concílio da Destruição’ quer falar sobre o tema. A peça, da Cia. Les Commediens, está em cartaz desde o dia 8 de dezembro, na Companhia do Feijão, em São Paulo.

Na trama, os países não tinham mais espaço, seja no mundo real ou virtual. A população havia superado a capacidade criativa e superlotado casas, carros, museus, escolas e computadores com obras. O caos era tão grande que estudar havia se tornado um exercício insuportável e era preciso destruir para se ter o direito de criar.

O espetáculo da Cia. Les Commediens Tropicales parte da premissa que o mundo está superlotado de arte e informações, estudos e ensaios, e que cada país terá que escolher cinco obras de arte para serem preservadas, enquanto outras serão destruídas.

O autor conta que pensou em escrever o texto depois de um bate papo com amigos sobre as dificuldades de estudar arte.

— Falamos da infinidade de informações e obras de artes que temos acesso desde as civilizações antigas até os dias de hoje e pensamos como estaremos daqui a uns duzentos anos. O que ficará para o futuro? Qual o real valor de uma obra de arte hoje, ontem e amanhã?’, disse Carlos Canhameiro.

‘Concílio da Destruição’ traça um panorama da história por vários aspectos, desde a visão dos investidores em arte, passando pelos militantes políticos que se aproveitam da mesma para impor suas visões sociais, até a igreja, que é detentora de grandes obras.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas