Mundu Rodá apresenta espetáculo no Teatro Paulo Eiró e em sua sede no Ipiranga

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Com 18 anos de Estrada, a Mundu Rodá é hoje uma das grandes referências na pesquisa da Cultura Popular Brasileira e das manifestações tradicionais(Foto:Antonio Salvador/Divulgação)

Com 18 anos de Estrada, a Mundu Rodá é hoje uma das grandes referências na pesquisa da Cultura Popular Brasileira e das manifestações tradicionais. O grupo realiza temporada em janeiro no Teatro Paulo Eiró e na Casa Mundu Rodá, no Bairro Ipiranga , com entrada gratuita

A Cia. Mundu Rodá de Teatro Físico e Dança (SP) realiza temporada de seu espetáculo Arigós – Primeiros Riscos da Borracha no Teatro Paulo Eiró e em sua sede, a Casa Mundu Rodá, localizada no Bairro do Ipiranga, com entrada gratuita. O público será convidado a adentrar o universo amazônico através do rastro da borracha!

Inspirados pelos Soldados da Borracha, também conhecidos como Arigós, nos textos amazônicos de Euclides da Cunha, e nas histórias e depoimentos de homens e mulheres ribeirinhos, descendentes dos arigós e que hoje são também povos da floresta, a Mundu Rodá entra num movimento de migração criativa tendo como ponto de partida o percurso dos milhares de nordestinos que deixaram o sertão para trabalhar nos seringais.

“Em “Migração criativa”, que reflete o próprio trajeto realizado por esses migrantes, o espetáculo é para nós um deslocamento do universo cultural nordestino, com que temos trabalhado há 20 anos, rumo a Amazônia ainda desconhecida e imaginada” – comentam os integrantes da Companhia.

A exploração da borracha foi a primeira grande ferida aberta na Amazônia, construiu cidades e a riquezas de alguns, significou conflito, morte e miséria para tantos outros, esquecidos e apagados pela História.

Arigós, pássaros migratórios, foi o apelido dado aos soldados da borracha que nos anos da segunda grande guerra chegaram aos bandos em terras amazônicas.

O grupo realiza temporada em janeiro no Teatro Paulo Eiró e na Casa Mundu Rodá, no Bairro Ipiranga , com entrada gratuita(Foto:Cibele Mateus e Mariana Pardo/Divulgação)

Não foram os primeiros, como eles, desde o final do século XIX, milhares de nordestinos migraram do sertão para floresta iludidos pela fortuna prometida advinda de uma árvore – Heveas Brasiliensis – a seringueira.

Embora muitos exploradores e viajantes tivessem adentrado o território, então chamado de deserto demográfico, a despeito dos diversos povos originários que o habitavam, a exploração da borracha foi a primeira grande ferida aberta na Amazônia, construiu cidades e a riquezas de alguns, significou conflito, morte e miséria para tantos outros, esquecidos e apagados pela História.

Ao longo do tempo, a Cia. Mundu Rodá (criada em 2000) construiu uma trajetória artística marcada pelo diálogo entre o trabalho do ator/dançarino/músico e as manifestações tradicionais. Está sempre em busca de uma expressão artística contemporânea capaz de revelar os traços e os fundamentos da identidade cultural brasileira.

Nas criações realizadas, assim como na atuação formativa desenvolvida por seus fundadores, Juliana Pardo e Alicio Amaral, a Cia. busca incorporar muito mais do que as informações mais evidentes das formas populares, buscando conexões com as mensagens deixadas pelos povos, por meio das gerações, e narrando cenicamente as histórias pouco ouvidas até agora.

Seus trabalhos procuram os fundamentos mais primordiais da corporeidade brasileira e marcam o encontro de povos de origens distintas, apoiada em uma cultura fundamentalmente oral, na qual a pluralidade rítmica transborda um modo de viver que não estabelece limites rígidos entre brincadeira, expressão, formação, crença e arte.

Se programe para assistir este espetáculo e conhecer o trabalho lindo da Mundu Rodá! Mais informações na fanpage Mundu Rodá ou no site: Clique aqui para acessar o site

Realização Cia. Mundu Rodá, Cooperativa Paulista de Teatro e Prêmio Zé Renato de Teatro para a Cidade de São Paulo

FICHA TÉCNICA

Concepção e atuação Alício Amaral e Juliana Pardo |Direção Antonio Salvador | Coordenação Dramatúrgica Luís Alberto de Abreu e Maria Thaís | Textos Murilo de Paula e Euclides da Cunha (excertos da obra A Margem da História) | Direção e Criação Musical Alício Amaral | Desenho de Luz Eduardo Albergaria | Cenário e Figurino Eliseu Weide |Assistência de Direção e Operação de Som Cibele Mateus | Operação de Luz e Cenotecnia Eduardo Albergaria | Pesquisa dramatúrgica Cia. Mundu Rodá, Luís Alberto de Abreu, Maria Thaís, Murilo de Paula e Antonio Salvador | Pesquisa Cenário e Figurino Cia. Mundu Rodá, Antonio Salvador e Eliseu Weide | Preparação/Investigação Narrativa Antonio Salvador | Preparação Corporal – Deuses que Dançam (Orixás) Wellington Campos e Alexandre Buda – Treinamento Funcional Kalil Moreira dos Santos | Preparação musical Charles Raszl e Zuza Gonçalves | Provocação/Investigação musical Charles Raszl, Zuza Gonçalves e Alício Amaral | Áudio em off (extração do látex e canção do seringueiro) cedido por Marlui Miranda | Arte Gráfica Lisiane Leite | Fotos Antonio Salvador, Cibele Mateus e Mariana Pardo | Registro Audiovisual Panamérica Filmes, Mariana Pardo e Cia. Mundu Rodá | Assessoria de imprensa Luciana Gandelini | Produção Mariana Pardo, Deborah Penafiel e Cibele Mateus | Coordenação Artística Projeto Arigós Alício Amaral e Juliana Pardo |Pesquisa de Campo Terra do Meio – RESEX Rio Iriri e Riozinho do Anfrísio (PA) | Apoio e Guia de Expedição Ana Azevedo e Leo Konrath (ICMBio) | Produção local Ana Célia Martins | Registro Audiovisual Alício Amaral, Ana Célia Martins e Juliana Pardo | Edição e Produção Audio Visual – Diário de Bordo Marcelo Eme e Barbara Moraes (Panamérica Filmes) | Encontros e Palestras Marcos Vinicius Neves, Marlui Miranda e Marcelo Eme

ARIGÓS – Primeiros Riscos da Borracha

Inspirados pelos Soldados da Borracha, também conhecidos como Arigós, e nos textos amazônicos de Euclides da Cunha, a Mundu Rodá entra num movimento de migração criativa tendo como ponto de partida o percurso dos milhares de nordestinos que deixaram o sertão para trabalhar nos seringais.

A exploração da borracha foi a primeira grande ferida aberta na Amazônia, construiu cidades e a riquezas de alguns, significou conflito, morte e miséria para tantos outros, esquecidos e apagados pela História.

Duração: 1h30min – Classificação Indicativa ACIMA DE 10 ANOS

Local: Teatro Municipal de Santo Amaro Paulo Eiró – Endereço: Av. Adolfo Pinheiro, 765 – Santo Amaro, São Paulo – SP, 04733-100 – Telefone: (11) 5686-8440

Temporada: 19/01/2018 À 28/01/2018 – Horário: Sextas e sábados às 21H, Domingos às 19H

Realização Cia. Mundu Rodá, Cooperativa Paulista de Teatro e Prêmio Zé Renato de Teatro para a Cidade de São Paulo

Local: Casa Mundu Rodá – Endereço: Rua Southey, n106, Ipiranga (metrôs próximos: Alto do Ipiranga e Santos – Imigrantes)

Temporada: 22/01/2018 À 24/01/2018 – Horário: Segunda, Terça e Quarta às 20h00

Gratuito – Capacidade: 30 lugares

Acompanhe nossos Podcast
Está gostando do conteúdo? Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país