Tóquio encerra Jogos Olímpicos celebrando a união

Após 17 dias de jogos, chama olímpica foi apagada na capital japonesa
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(COI/Rede Social)

Os Jogos Olímpicos de Tóquio terminaram neste domingo (08/08) celebrando a união entre os povos, em uma cerimônia sem público e com a presença de poucos atletas no Estádio Olímpico, devido à pandemia de covid-19.

Realizado em meio a incertezas e sob forte desconfiança e oposição da maior parte dos japoneses, o evento esportivo quis ser uma mostra de que a humanidade, unida, pode vencer o coronavírus.

Após 17 dias, a avaliação do Comitê Olímpico Internacional (COI) e da comissão organizadora Tóquio 2020 é que a missão foi cumprida com êxito, com pouquíssimos casos de covid-19 entre os envolvidos no evento.

“Vocês, os japoneses, podem estar extremamente orgulhosos do que conquistaram. Em nome dos atletas, dizemos: ‘Obrigado, Tóquio. Obrigado, Japão”, proclamou Thomas Bach, presidente do COI na cerimônia.

Tóquio 2020 entra para história como uma edição democrática dos Jogos, com 93 países diferentes conquistando ao menos uma medalha, o que representa um recorde. A melhor marca era de Pequim 2008, com 87 delegações representadas no pódio ao menos uma vez. Além disso, no Japão, 64 nações obtiveram ao menos um ouro, cinco a mais que no Rio 2016, que detinha o recorde nesse quesito.

O Brasil fez a melhor campanha da história em Jogos Olímpicos e terminou na 12ª posição no quadro de medalhas, com 21 pódios. 

A chama Olímpica foi apagada neste domingo e começou a contagem regressiva para Paris, em 2024 – faltam exatamente 1.083 dias.

Cerimônia econômica

Intitulada O mundo que compartilhamos, com gastos reduzidos e a participação de poucas pessoas devido à pandemia de covid-19, a cerimônia de encerramento não chegou a impressionar, mas rendeu bons momentos. Um deles foi quando os atletas presentes acenderam as luzes de seus celulares para lembrar todos os que não puderam estar na cerimônia. Em uma animação 3D, essas luzes se multiplicaram, sobrevoaram o estádio e formaram os arcos olímpicos.

Os japoneses também homenagearam a nova sede, Paris, com La vie en rose e outras músicas do folclore francês.

A cerimônia também quis mostrar um lado descontraído de Tóquio, que os atletas pouco puderam conhecer, já que podiam se deslocar apenas da Vila Olímpica ou de seus hotéis para os locais de treinamento e competições.

Em uma das apresentações, muitos estilos diferentes se mesclaram para dar a ideia de como é um característico dia de sol em um parque de Tóquio.

O Japão tradicional foi representado com o tambor taiko e por uma sequência de danças de quatro regiões diferentes que são passadas de geração em geração. Também houve referência aos tradicionais odoris, festivais de verão japoneses.

A escolha do porta-bandeira do país anfitrião também esteve envolta de significado. Kiyuna Ryo, medalhista de ouro na modalidade kata do karatê, conduziu a bandeira. Ele nasceu na ilha de Okinawa, o berço do karatê. O esporte estreou em Jogos Olímpicos em Tóquio, mas não deve continuar entre as modalidades em Paris 2024.

Rebeca Andrade, a porta-bandeira brasileira

A porta-bandeira brasileira foi Rebeca Andrade, que conquistou a primeira medalha do Brasil da história na ginastica artística feminina, com a prata no individual geral, e o ouro no salto, tornando-se a primeira mulher brasileira a conquistar duas medalhas na mesma edição dos Jogos Olímpicos. 

“Foi uma sensação maravilhosa, uma emoção enorme. É difícil até descrever o que estou sentindo. Fui escolhida para ser a porta-bandeira, mesmo diante de tantos atletas maravilhosos e incríveis. Estou muito feliz e honrada. Hoje está sendo um dos melhores dias de toda a minha vida”, afirmou a atleta.

Além de Rebeca, participaram da cerimônia pelo Brasil o medalhista de ouro no boxe Hebert Conceição, representando os atletas masculinos, Francisco Porath, técnico de Rebeca, representando os treinadores do Brasil, Ana Carolina Côrte, a coordenadora médica do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Sebastian Pereira, o vice-chefe da missão, e Bira, o funcionário mais antigo do COB.

Na abertura, como demonstração de resguardo frente à pandemia, o Brasil, diferentemente de outros países como Argentina, França e Estados Unidos, já tinha optado por enviar uma delegação bastante reduzida. Na ocasião, a bandeira foi conduzida pela judoca Ketleyn Quadros e pelo jogador de vôlei Bruninho. Completaram a delegação o chefe da missão e vice-presidente do Comitê Olímpico do Brasil, Marco La Porta, e Joyce Ardies, funcionária da entidade.

Em razão da pandemia, 63 das 206 delegações não contavam mais com representantes em Tóquio para a cerimônia de encerramento e, por essa razão, suas bandeiras foram carregadas por voluntários.

Pódio feminino da maratona

A cerimônia contou ainda, como é tradição, com o pódio dos vencedores da maratona, prova mais tradicional dos Jogos Olímpicos. No entanto, pela primeira vez na história, as mulheres também foram laureadas durante o encerramento, em um claro aceno que reforça o conceito de igualdade de gênero.

Ambas as provas tiveram quenianos como medalhistas de ouro – Peres Jepchirchir no feminino e Eliud Kipchoge no masculino (ele já havia conquistado o ouro no Rio, em 2016). Desta forma, o hino do Quênia foi executado duas vezes.

Passagem de bastão para Paris

O governador de Tóquio, Yuriko Koike, entregou a bandeira olímpica ao presidente do COI, que por sua vez a repassou à prefeita de Paris, Anne Hidalgo.

O gesto simbólico foi seguido pela execução do hino francês, La Marseillaise, pela Orquestra Nacional Francesa e músicos em espaços tradicionais de Paris, como o Museu do Louvre e o Stade de France, cujas imagens foram projetadas em telões no estádio de Tóquio.

O astronauta Thomas Pesquet também interpretou parte do hino francês no saxofone diretamente da Estação Espacial Internacional com vistas espetaculares da Terra, seguido por fotos aéreas do Musée d’Orsay e do Arco do Triunfo, entre outros pontos turísticos.

Tóquio então se conectou ao vivo a Paris, onde câmeras em frente à Torre Eiffel mostraram centenas de pessoas celebrando a contagem regressiva para a próxima edição dos Jogos, enquanto a unidade de voo acrobático do exército francês, a Patrouille de France, desenhava com fumaça a bandeira nacional no céu.

Daqui a três anos, Paris sediará os Jogos Olímpicos pela terceira vez – as outras edições foram em 1900 e em 1924. 

Poucos casos de covid-19

O número de casos de covid-19 entre todos os participantes dos Jogos Olímpicos de Tóquio chegou a 430, após 26 novos contágios terem sido registrados neste domingo.

O total de infectados inclui atletas, representantes de comitês e federações, jornalistas e outras pessoas envolvidas nos Jogos, que foram sistematicamente testadas desde 1º de julho. De todos os casos, 29 foram de atletas, e nenhum foi grave.

Mais de 600 mil testes PCR e apenas 0,02% tiveram resultado positivo, de acordo com os organizadores.

Agora, a capital japonesa se prepara para receber os Jogos Paralímpicos, de 24 de agosto a 5 de setembro. O Brasil estará representado no evento pela maior delegação fora do país.

Por Deutsche Welle
le (afp, efe, ots)

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas