Vôlei: Brasil é campeão sul-americano, mas cai no ranking feminino

Apesar de derrota para Colômbia, seleção garantiu título pela 22ª vez
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O Brasil perdeu a liderança do ranking mundial de seleções no vôlei feminino para os Estados Unidos na atualização desta segunda-feira (20). Apesar da conquista do 22º título sul-americano no último domingo (19), a derrota por 3 sets a 1 para a Colômbia, na última rodada do torneio continental, impactou a pontuação brasileira, devido ao algoritmo que leva em conta o placar do jogo, o peso da competição e a força do adversário.

Conforme os critérios adotados pela Federação Internacional de Voleibol (FIVB, na sigla em inglês) desde fevereiro de 2020, o algoritmo calcula probabilidades de resultados em cada jogo com base no histórico das equipes e a situação no ranking. Um triunfo sobre a Colômbia não daria muitos pontos ao Brasil, nem custaria tantos às rivais. O resultado oposto, porém, rendeu uma pontuação alta às colombianas e um desconto também elevado às brasileiras, que caíram para 366 pontos, contra 379 das norte-americanas, campeãs olímpicas em Tóquio (Japão).

A equipe comandada por José Roberto Guimarães chegou à rodada final do Sul-Americano, disputado na própria Colômbia, precisando vencer apenas um set contra as anfitriãs para levantar a taça. Com apoio da torcida no ginásio da cidade de Barrancabermeja, as colombianas surpreenderam e ganharam as duas primeiras parciais (25/19 e 25/23), o que já garantiu o time da casa no Mundial do ano que vem.

O Brasil acordou no terceiro set e levou a melhor, mesmo com sofrimento (26/24), assegurando o título. Mas o nível da atuação seguiu abaixo do apresentado na Olimpíada, quando o time ficou com a medalha de prata. A Colômbia aproveitou para vencer o quarto set (25/23) e conquistar um triunfo inédito na história do confronto pelo Sul-Americano. Comandadas pelo brasileiro Antônio Rizola, as colombianas terminaram o torneio com as mesmas três vitórias e uma derrota do escrete verde e amarelo, ficando atrás pela média de sets ganhos.

“Vamos comemorar esse título e toda a temporada que foi muito especial para o nosso grupo. Passamos por muitos momentos difíceis, e terminar o Sul-Americano com esse título e a vaga do Mundial foi uma conquista. Encerramos felizes e já pensando no próximo ciclo que é Paris [França, sede da próxima Olimpíada, em 2024]”, comemorou a ponteira Gabi, escolhida a melhor jogadora do Sul-Americano, à página da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV).

Por Lincoln Chaves – Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional 

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas