Coreia do Norte diz ter lançado um míssil hipersônico

País anuncia o que seria um segundo teste com esse tipo de projétil
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A Coreia do Norte afirmou nesta quinta-feira (06/01) que realizou “com sucesso” um segundo teste de um míssil hipersônico, o que parece indicar que o país asiático continuará com seus planos de modernização de seus arsenais nucleares e de mísseis.

O míssil testado na quarta-feira estava carregado com uma “ogiva hipersônica deslizante” que, segundo a agência de notícias estatal coreana KCNA, “atingiu com precisão um alvo a 700 quilômetros de distância”.

Este é o segundo teste relatado até agora por Pyongyang com este tipo de projétil — após um que teria sido realizado em setembro. O míssil seria mais rápido, ágil e difícil de ser interceptado por sistemas de defesa aérea.

Kim Jong Un e outros membros do governo observam míssel lançado.
Kim Jong-un, presidente da Coreia do Norte, acompanha teste de míssil (Arquivo/KCNA/Fotos Públicas)

A KCNA anunciou que o disparo “reconfirmou o controle de voo e a estabilidade do míssil na fase de voo ativo e avaliou o desempenho da nova técnica de movimento lateral aplicada à ogiva hipersônica”.

“Os sucessivos testes de lançamento no setor de mísseis hipersônicos são de importância estratégica”, acrescentou a agência.

A afirmação da Coreia de Norte de um teste bem-sucedido com um míssil hipersônico não foi confirmada de forma independente.

Na quinta-feira, o ministro da Defesa do Japão, Nobuo Kishi, disse à mídia japonesa que o míssil não era hipersônico, mas um “novo tipo de míssil balístico” não lançado antes pela Coreia do Norte.

Preocupação em Seul e Tóquio

A Coreia do Sul e o Japão anunciaram nesta quarta-feira a detecção de um lançamento de míssil balístico da Coreia do Norte, que caiu nas águas a leste da Península Coreana.

Este lançamento, que segue uma série de testes de armas conduzidos entre setembro e outubro pelo país com arsenal nuclear, foi rapidamente criticado por Seul, Tóquio e Washington.

O gabinete presidencial sul-coreano expressou “preocupação” após uma reunião de emergência, e o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse que a ação foi “realmente lamentável”.

Armas mais rápidas

Os mísseis hipersônicos são a inovação mais recente no programa nuclear e de armas da Coreia do Norte, intensamente incentivado sob o governo de Kim Jong-un, apesar das sanções internacionais.

Uma das características desses projéteis é que eles podem viajar a uma velocidade cinco vezes maior que a do som, limite conhecido como Mach 5. A agência KCNA não detalhou a velocidade alcançada pelo míssil lançado na quarta-feira.

Resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas banem todos os testes nucleares e de mísseis balísticos pela Coreia do Norte, e sanções foram impostas por causa dos programas militares do país.

Críticas de Washington e Berlim

“Este lançamento viola várias resoluções do Conselho de Segurança da ONU e representa uma ameaça aos vizinhos da Coreia do Norte e à comunidade internacional”, disse um porta-voz do Departamento de Estado americano.

O diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte estagnou depois que as negociações em 2019 entre o líder Kim Jong-un e o então presidente Donald Trump fracassaram.

O governo do sucessor de Trump, Joe Biden, declarou repetidamente sua disposição de se reunir com representantes norte-coreanos, dizendo que buscaria a desnuclearização.

No entanto, Pyongyang até agora se recusou a aceitar, acusando Washington de buscar políticas “hostis”.

Um porta-voz do Ministério do Exterior alemão disse nesta quinta-feira que Berlim “condena veementemente o teste de um míssil balístico pela Coreia do Norte”.

O ministério disse que o teste constitui uma séria violação das obrigações internacionais da Coreia do Norte e “põe em risco à estabilidade e à segurança internacional e regional”.

A Alemanha reiterou os apelos para que Pyongyang aceite as ofertas de negociações de Washington e Seul e respeite suas obrigações em relação ao direito internacional.

Por Deutsche Welle
md (Reuters, AP, AFP, DPA)

Você usa o Telegram?

Entre em nosso canal no Telegram e receba nossas atualizações de notícias direto no seu celular. Basta clicar aqui

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *