Democratas lideram disputa pelo Senado na Geórgia

Conquista das duas vagas na Geórgia daria aos democratas o controle sobre ambas as casas do Congresso
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Joe Biden, presidente eleito dos Estados Unidos (Rede Social/Fotos Públicas)

Com 98% dos votos contados, os democratas estão próximos de obter, nesta quarta-feira (06/01), as duas vagas do estado da Geórgia no Senado dos Estados Unidos e, com isso, o controle também sobre essa casa parlamentar.

Um dos candidatos democratas, o reverendo Raphael Warnock, já assegurou uma das vagas, afirmaram as emissoras de televisão do país e a agência de notícias Associated Press (AP). Ele derrotou a senadora republicana Kelly Loeffler.

A outra vaga ainda está em aberto, mas o candidato democrata Jon Ossoff lidera com pequena margem a disputa contra o senador David Perdue, do Partido Republicano.

Se for confirmado, o resultado será mais uma derrota para o presidente Donald Trump, que foi até a Geórgia para fazer campanha, e uma nova vitória para o presidente eleito Joe Biden, que também se empenhou pelos candidatos democratas locais antes da votação para o Senado no estado.

Os dois assentos na Geórgia assegurariam aos democratas o controle sobre o Senado. Eles já têm a maioria na Câmara dos Representantes. Os republicanos necessitam de apenas um assento na Geórgia para ter maioria no Senado.

Se obtiverem as duas vagas em disputa, os democratas chegam a 50 assentos no Senado, o mesmo número dos republicanos, e a vice-presidente eleita Kamala Harris terá direito a um voto de minerva em votações que terminarem empatadas.

Se confirmar a projeção, Warnock será o primeiro senador negro da história da Geórgia, um estado sulista de passado escravocrata, e o 11º senador negro da história dos Estados Unidos. Ele é um pastor batista na mesma igreja em que Martin Luther King pregou até ser assassinado, em 1968, em Atlanta, durante o movimento pelos direitos cívicos dos afroamericanos.

A eleição realizada nesta terça-feira é um segundo turno, já que nenhum dos candidatos a uma vaga obteve mais de 50% dos votos, como prevê a legislação da Geórgia, no primeiro turno, em 6 de novembro.

Por Deutsche Welle

AS/ap/afp/rtr

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas