EUA aprovam vacina da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos

28 milhões de crianças no país poderão receber vacina da Pfizer
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Arquivo)

Autoridades de saúde dos Estados Unidos deram a aprovação final nesta terça-feira (02/11) para o uso da vacina da Pfizer-BioNTech contra a covid-19 em crianças de 5 a 11 anos de idade.

O anúncio foi feito pela diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Rochelle Walensky, horas após um painel de especialistas do órgão americano ter apoiado unanimemente a aprovação do imunizante.

O grupo de conselheiros concluiu que os benefícios da vacina na prevenção contra a covid-19 superam eventuais riscos associados à vacinação nessa faixa etária. As discussões haviam se centrado principalmente em casos raros de inflamação do coração ligados à vacina, especialmente em homens jovens.

A Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora de medicamentos dos EUA, já havia autorizado a vacina da Pfizer-BioNTech para americanos de 5 a 11 anos na semana passada. Mas é o CDC quem recomenda formalmente quem deve receber vacinas aprovadas pela FDA.

A dosagem aprovada para crianças corresponde a apenas um terço da quantidade aplicada em adolescentes e adultos. Quem tem mais de 12 anos recebe 30 microgramas do imunizante da Pfizer, enquanto a FDA autorizou 10 microgramas para quem tem menos de 12. As crianças também receberão duas doses da vacina, com intervalo de três semanas entre elas.

Essa é a primeira vacina a ser autorizada nos Estados Unidos para crianças entre 5 e 11 anos.

“Sabemos que milhões de pais estão ansiosos para ter seus filhos vacinados e, com esta decisão, agora recomendamos que cerca de 28 milhões de crianças recebam a vacina da covid-19”, afirmou a diretora Rochelle Walensky em comunicado.

“Como mãe, encorajo os pais que têm dúvidas a falar com seu pediatra, enfermeiro escolar ou farmacêutico local para aprender mais sobre a vacina e a importância de vacinar seus filhos.”

Em declarações mais cedo na terça-feira, a chefe do CDC havia afirmado que, embora o risco de desenvolver uma covid-19 grave e morrer seja menor em crianças do que em adultos, esse risco ainda é real. Além disso, a pandemia teve um profundo impacto social, mental e educacional sobre os mais novos, incluindo disparidades crescentes na aprendizagem, disse Walensky.

“Existem crianças na segunda série que nunca tiveram um ano letivo normal”, acrescentou a especialista. “A vacinação pediátrica tem o poder de nos ajudar a mudar tudo isso.”

“Ponto de virada” na luta contra covid

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, também comemorou a aprovação da vacina para crianças, afirmando ser este um “ponto de virada” na batalha contra a covid-19.

“Isso permitirá que os pais encerrem meses de ansiedade preocupante com seus filhos, e permitirá reduzir a extensão com que as crianças espalham o vírus para outros”, disse o líder americano em comunicado. “É um grande passo à frente para nossa nação na luta para derrotar o vírus.”

Biden disse ainda que a campanha de vacinação de crianças será intensificada nos próximos dias, depois de o CDC afirmar que ela poderia começar “o mais rápido possível”.

“O programa aumentará nos próximos dias e estará em pleno funcionamento durante a semana de 8 de novembro. Os pais poderão levar seus filhos a milhares de farmácias, consultórios de pediatras, escolas e outros locais para serem vacinados”, disse o presidente.

Estudos apontaram eficácia e segurança

Um estudo da Pfizer envolvendo 2.268 crianças concluiu que a vacinação infantil é quase 91% eficaz na prevenção da covid-19 sintomática – com base em 16 diagnósticos entre crianças que receberam placebo, em comparação com apenas três que tomaram a vacina.

A FDA, por sua vez, analisou ainda mais crianças vacinadas, um total de 3.100, para concluir que o imunizante é seguro para a faixa etária. Crianças mais novas tiveram reações semelhantes ou mais brandas – como dor no local da aplicação e febre – em comparação com adolescentes e adultos jovens.

De acordo com dados do CDC, desde o início da pandemia houve 1,9 milhão de casos de covid-19 entre crianças de 5 a 11 anos, 8.300 hospitalizações e 94 mortes.

Por Deutsche Welle
ek (AFP, AP, Reuters, Efe)

Você usa o Telegram?

Entre em nosso canal no Telegram e receba nossas atualizações de notícias direto no seu celular. Basta clicar aqui

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.