Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Israel é 1º país a reimpor quarentena nacional contra covid-19

Benjamin Netanyahu anunciou lockdown por três semanas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Benjamin Netanyahu, Primeiro-ministro de Israel
(Kobi Gideon/GPO/via Fotos Públicas)

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, anunciou neste domingo (13/09) que o governo decidiu impor seu segundo lockdown nacional, em resposta a um aumento das infecções pelo coronavírus. A medida valerá por três semanas a partir da próxima sexta-feira.

Após horas de um acalorado debate, o gabinete de Netanyahu votou a favor da medida drástica, que torna Israel o primeiro país a reimpor a quarentena em todo seu território.

A princípio, o lockdown se estenderá por toda a temporada de feriados judaicos, tendo início em 18 de setembro, dia em que se comemora o Ano Novo Judaico, e terminando em 9 de outubro, ao fim da semana de festividades conhecida como Sucot.

“Eu sei que essas medidas vão cobrar um preço alto para todos nós”, disse Netanyahu em discurso na televisão. “Este não é o tipo de feriado a que estamos acostumados. E nós certamente não seremos capazes de celebrar com nossos familiares.”

O premiê destacou que o objetivo é interromper o aumento [nos casos de covid-19 e reduzir o contágio. O país ultrapassou a marca de 4.000 novas infecções por dia.

O bloqueio permanecerá em vigor por pelo menos três semanas, e depois o governo poderá relaxar as medidas se os números estiverem caindo. Os israelenses costumam realizar grandes reuniões familiares e lotar sinagogas durante o importante jejum de Yom Kippur no fim de setembro, o que as autoridades temiam que poderia desencadear novos surtos.

Durante a quarentena, os cidadãos não poderão se locomover além de um raio de 500 metros a partir de suas casas – com exceção de idas ao trabalho, que serão limitadas.

Escolas, restaurantes, shoppings e hotéis fecharão suas portas, mas supermercados e farmácias ficarão abertos. O setor público deverá operar com menos funcionários, enquanto escritórios e empresas não serão obrigados a fechar, desde que não recebam clientes.

Além disso, reuniões em lugares fechados serão limitadas a no máximo dez pessoas, enquanto em locais abertos poderão contar até 20 participantes – o que significa que cultos judaicos em sinagogas deverão ser severamente afetados.

Um ponto crítico nas negociações no gabinete foi justamente em relação a como se dariam as orações durante o feriado religioso. O impasse levou o ministro da Habitação, Yaakov Litzman, que representa judeus ultraortodoxos, a renunciar ao cargo neste domingo.

“Isso é injusto e despreza centenas de milhares de cidadãos”, disse Litzman, contrário à imposição do bloqueio durante a temporada de celebrações. “Onde vocês estavam até agora? Por que os feriados judaicos se tornaram um momento conveniente para combater o coronavírus?”, acrescentou, em sua carta de demissão.

O endurecimento das medidas de contenção marca a segunda vez em que Israel impõe um bloqueio em nível nacional, após uma longa paralisação entre março e maio. Atribui-se ao primeiro lockdown uma queda nos números de novos casos no país, embora tenha causado estragos na economia e levado o desemprego às alturas.

Ao todo, Israel soma mais de 150 mil casos confirmados de covid-19 e mais de 1.100 mortes ligadas à doença. Dada sua população de 9 milhões de pessoas, o país enfrenta agora um dos piores surtos do mundo, com milhares de novos casos sendo registrados todos os dias.

Netanyahu e o governo israelense – cujo poder é dividido entre dois partidos rivais que uniram forças para combater a pandemia – têm sido duramente criticados pelo gerenciamento da crise. Eles são acusados de má gestão por não agirem adequadamente para conter as crises econômica e sanitária, forçando assim a imposição de um segundo lockdown.

EK/afp/ap/dpa/rtr/ots

Por Deutsche Welle

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país

Outras - notícias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest