Membros do PCC no Paraguai cavam túnel e fogem

Dos 75 fugitivos, 40 são brasileiros.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Governo local suspeita que agentes penitenciários ajudaram na ação, feita através de um túnel: ‘é categórico que houve corrupção’

Túnel (à esq.) foi cavado de cela, com terra guardada em sacos plásticos (à dir.)
(Polícia Nacional do Paraguai/Divulgação)

Integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital), facção criminosa fundada em São Paulo e que atua em todo o país e na América do Sul, fugiram de um presídio na cidade de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, neste domingo (19/1), conforme confirmado pelo governo local. A cidade faz divisa com o Mato Grosso do Sul, no centro-oeste brasileiro.

Eles cavaram um túnel entre a cela e a parte exterior da cadeia e 75 integrantes da facção fugiram, segundo números divulgados pelo governo a jornais locais. Inicialmente, a fala era de 91 fugitivos. Uma lista divulgada aponta que 40 deles são brasileiros, os demais, paraguaios.


 


Os presos cavaram o túnel e armazenaram a terra retirada em sacos plásticos. O material foi deixado em uma cela localizada no pavilhão B do presídio. A movimentação para a fuga, de acordo com o jornal ABC Color, teve início por volta de 4h.

“É categórico que houve corrupção”, afirmou a ministra de Justiça do país, Cecília Pérez, à rádio ABC Cardinal. “Fizemos uma denúncia de que se oferecia 80 mil dólares (para permitir uma fuga)”, emendou a ministra, em coletiva de imprensa feita após a ação. 

Dos presos, 25 estavam na cela em que se cavou o buraco para a fuga, enquanto os outros 50 ficavam presos em espaços no andar de cima. Jornais paraguaios detalham, através de relatos do Ministério Público que esteve no espaço, que é preciso passar por um portão para chegar de uma área à outra.



O governo do Paraguai anunciou que o diretor de estabelecimentos penitenciários, Víctor Servián, o diretor da unidade, Christian Gonzalez, o chefe de segurança e os guardas do presídio em Pedro Juan Caballero foram destituídos de suas funções.

“Pedro Juan é uma prisão muito particular onde custa trabalhar pela permeabilidade da corrupção”, descreve a ministra Cecília Perez. “Não pode ser que um poço esteja sendo cavado em sua casa e você não ouça nada. Não pode ser que 75 estejam fugindo e não se veja nada. Aqui existe uma responsabilidade por ação ou omissão”.

Agora, o governo paraguaio atua para recapturar os integrantes do PCC para, posteriormente, investigar uma “rede de corrupção que facilitou a fuga”, como definiu a ministra da Justiça.

Ainda há informações de três caminhonetes queimadas na fronteira com a cidade de Ponta Porã, cidade localizada no Mato Grosso do Sul, já no território brasileiro. As autoridades não descartam relação com a fuga no presídio.

Por Arthur Stabile – Repórter da Ponte

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país