Polícia mata extremista que feriu seis pessoas em ataque

Autoridades da Nova Zelândia acreditam que ele agiu sozinho no ataque
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(GBN/Reprodução)

Autoridades da Nova Zelândia afirmaram nesta sexta-feira (03/09) que a polícia matou a tiros um extremista violento que invadiu um supermercado e feriu seis pessoas a golpes de faca.

A primeira-ministra do país, Jacinda Ardern, descreveu o incidente como um atentado terrorista e afirmou que três dos seis feridos estão em estado grave. “Foi um ataque violento e insensato contra inocentes neozelandeses”, declarou. “E sinto muito que tenha acontecido.”

Ardern disse que o agressor era um cidadão do Sri Lanka que chegou à Nova Zelândia em 2011. Ele teria se inspirado no grupo extremista “Estado Islâmico” (EI) ao perpetrar o ataque.

Segundo a premiê, o homem já era conhecido das agências de segurança nacionais e vinha sendo monitorado 24 horas por dia. “Era tido como uma ameaça desde 2016”, afirmou Ardern, mas “por lei não podia ser mantido na prisão”.

O atentado ocorreu por volta das 14h40 (hora local) desta sexta-feira, em um supermercado da rede Countdown em Auckland, maior cidade da Nova Zelândia.

A primeira-ministra afirmou que, como o homem estava sob constante monitoramento, uma equipe de vigilância policial e do Grupo de Ações Táticas Especiais (STG, na sigla em inglês) conseguiu conter o agressor dentro de 60 segundos após o início do ataque.

“Equipes de vigilância estavam muito próximas”

O comissário de polícia, Andrew Coster, afirmou que as autoridades já estavam preocupadas com as ideologias do homem e o acompanhavam de perto. Nesta sexta, ele havia sido seguido por agentes de sua casa até o supermercado onde feriu clientes, confirmou Coster.

“Ele entrou na loja, como já havia feito outras vezes. Ele pegou uma faca de dentro da loja”, contou o comissário de polícia. “Equipes de vigilância estavam tão próximas quanto possível para monitorar sua atividade.”

Coster relatou que, quando a comoção teve início dentro do supermercado, dois policiais do STG correram para dentro da loja. Após serem ameaçados pelo suspeito com a faca, os agentes atiraram contra ele e o mataram, disse o comissário. Um vídeo feito dentro do supermercado gravou o som de dez tiros sendo disparados em rápida velocidade.

Clientes teriam ajudado a estancar o sangue dos feridos com toalhas e fraldas. “A todos que estavam lá e testemunharam este evento terrível, eu não consigo imaginar como eles estão se sentindo depois disso”, disse a primeira-ministra neozelandesa. “Mas obrigada por vir em auxílio daqueles que precisaram de vocês quando eles precisaram de vocês.”

A cidade de Auckland está atualmente em um lockdown estrito, enquanto luta contra um surto de coronavírus. A maioria das empresas está fechada, e os cidadãos estão autorizados a deixar suas casas apenas para comprar mantimentos, por necessidades médicas ou para se exercitar.

Por Deutsche Welle
ek (AP, AFP, Lusa, Reuters)

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas