União Europeia vai taxar produtos americanos

OMC autoriza europeus a retaliar americanos por subsídios à Boeing
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Boeing/Reprodução)

A União Europeia recebeu permissão nesta terça-feira (13/10) para impôr tarifas no valor de 4 bilhões de dólares a produtos dos Estados Unidos, como retaliação aos subsídios estatais dados à americana Boeing.

A decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC) marca mais um capítulo em 16 anos de disputa entre EUA e Europa envolvendo o setor de aviação. No ano passado, a instituição já havia autorizado os americanos a retaliarem em 7,5 bilhões de dólares os europeus pelos subsídios à Airbus.

UE e EUA acusam-se mutuamente de terem fornecido ajuda estatal ilegal a suas respectivas fabricantes de aeronaves, e ambos apresentaram reclamações perante a OMC.

A OMC determinou nesta terça que o montante de 4 bilhões de dólares é “proporcional em grau e natureza aos efeitos adversos” do apoio americano à Boeing, considerado uma violação das regras do comércio internacional.

Caso siga adiante, espera-se que a União Europeia mire as aeronaves fabricadas nos EUA, além de tratores, batata-doce, amendoim, suco de laranja congelado, tabaco, ketchup e salmão.

No ano passado, Washington impôs tarifas punitivas de 25% sobre produtos da UE, como vinho, queijo e azeite de oliva. A tarifa de 10% sobre os aviões Airbus foi elevada para 15% em março.

Mas embora vários líderes da UE tenham exigido a imposição imediata das tarifas caso Washington não concorde em baixar suas taxas, poucos esperam que a retaliação de fato aconteça. Pelo contrário: uma fonte do setor disse que a decisão da OMC pode “abrir portas para as negociações”.

Levando em conta a crise em que a indústria aérea se encontra agora e o efeito que isso está tendo sobre a Airbus e a Boeing, uma longa batalha, em que impostos acabem elevando os preços das aeronaves, não serve aos interesses nem da UE nem dos EUA.

Após a decisão, a UE rapidamente apelou para um acordo negociado.

“Deixei claro que minha forte preferência é por um acordo negociado com os EUA, evitando rodadas prejudiciais de medidas e contramedidas”, disse o comissário europeu Valdis Dombrovskis.

A Airbus ecoou esse apelo: “É hora de encontrar uma solução agora para que as tarifas possam ser removidas de ambos os lados do Atlântico”, disse o CEO da empresa, Guillaume Faury.

RPR/ap/afp

Por Deutsche Welle

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas