Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Obras de Tarsila do Amaral podem ser vistas até hoje

Por Bruno Bocchini

Filas para ver obras de Tarsila no sábado (Jorge Kormann/Fotos Publicas)

A exposição Tarsila Popular, que reúne obras de Tarsila do Amaral desde o início da carreira da pintora, na década de 1920, até obras da segunda metade do século 20, termina neste domingo (26) no Museu de Arte de São Paulo (Masp). A mostra, que conta com 120 trabalhos da artista nascida em Capivari (SP), tem como destaque o quadro Abaporu, uma das obras fundamentais para o conceito antropofágico do modernismo brasileiro.

Tarsila tece aulas em Paris, a partir de 1923, com André Lhote e Fernand Léger, e aprendeu a “devorar” os estilos modernos da pintura europeia e, de maneira antropofágica, produzir algo  criar algo único e híbrido, além de incluir elementos locais.

Com esse conceito, Tarsila produziu obras como Urutu (1928) e Antropofagia (1929). Ambas, com temas fortemente ligados a uma ideia de brasilidade e sob influência estética das vanguardas europeias, podem ser vistas na mostra.

Abaporu, de Tarsila do Amaral (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Na década de 1930, a produção da artista voltou-se para temais mais sociais, com obras como Segunda Classe, que mostra uma família descalça em uma estação de trem, e Operários, onde uma multidão de rostos se amontoa ao lado de chaminés de fábrica. 

A exposição no Masp, que fica na Avenida Paulista, região central da capital, funciona hoje (26) até as 21 horas (bilheteria aberta até 20h30). No sábado, funciona das 10 horas até a meia-noite (com a bilheteria aberta até as 23h30). No domingo, também estará aberta das 10h até a meia noite, e a partir das 19 horas, a entrada será gratuita (a bilheteria fecha às 23h30).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat
1
Fale agora com nossa equipe!
Powered by