Segurança eletrônica como aliada da indústria 4.0

Por Marcelo Victorino
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Por Marcelo Victorino

Apesar da indústria 4.0 ser uma realidade recente, o mundo já sofreu muitas mudanças desde sua implantação. Se considerarmos o período entre o início da pandemia e o atual momento, a transformação digital foi acelerada e, cada vez mais, o uso da Inteligência Artificial se faz presente. Contudo, não podemos deixar de pensar que as vulnerabilidades como malwares, vírus e worms avançam na mesma proporção.

À medida que uma empresa evolui tecnologicamente, mais ela está sujeita aos ciberataques. Nesse cenário, uma das principais vantagens da segurança eletrônica está na prévia identificação desses ataques. O mercado da segurança eletrônica já está totalmente alinhado com a indústria 4.0 e oferece diversas tecnologias para este fim.

O uso de novas tecnologias aplicadas à segurança pode proteger vidas, patrimônios e sistemas inteiros. Além da questão da segurança, um projeto bem estruturado pode proporcionar soluções para medir e melhorar a produtividade, redefinir prioridades e inovar processos, sobretudo na era do home office.

Por outro lado, a indústria 4.0 impacta também o setor público. É preciso que o Poder Público reconheça a importância da tecnologia para alavancar os índices de desenvolvimento econômico, por exemplo, e possa contar com a participação da segurança eletrônica nos projetos de inovação. Até no agronegócio já existem mecanismos inteligentes, capazes de rastrear a criação de gados e suínos e alertar sobre mudanças de comportamento dos animais por meio do reconhecimento facial que lê olhos e focinhos.

Na área da saúde, a segurança eletrônica também vem se mostrando cada vez mais útil e necessária, colaborando com a gestão de grandes hospitais e clínicas médicas. O hospital das Clínicas, maior complexo hospitalar da América Latina, usa sistemas de segurança eletrônica para controlar a entrada e saída de mais de 50 mil pessoas por dia em todos os seus institutos, além  de realizar o cadastro de pacientes e acompanhantes através de sistemas tecnológicos e até mesmo pode contribuir com a polícia, disponibilizando imagens da rua em caso de ocorrência nos arredores.

Fato é que a segurança eletrônica é o elo de ligação para diferentes iniciativas que enxergam o futuro por meio da indústria 4.0 para fortalecer suas atividades. Quem não compreende a relação entre segurança eletrônica e business, está abrindo mão de grandes oportunidades.

Por Marcelo Victorino

Marcelo Victorino é Diretor de Vendas e Desenvolvimento de Negócios, para LATAM, da  RealNetworks Inc. (NASDAQ: RNWK) — pioneira em soluções de vídeo, empresa global com sede  em Seattle (EUA). Possui uma trajetória de mais de duas décadas em liderança e gestão nas áreas de vendas,  prospecção, marketing e novos negócios. É especialista em criar e desenvolver projetos que  envolvam tecnologia e inovação. Victorino é graduado em Administração de Empresas pela PUC-SP e possui MBA em E-Business  pela ESPM. 

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas