Tecnologia e a indústria da beleza

Por Kilmer Lima
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Por Kilmer Lima

Há dez anos, um celular possuía uma câmera com 0,35 megapixel e não comportava mais que 50 fotos na sua memória. Hoje, os smartphones possuem câmeras com mais de 12 megapixels e capacidade infinita de armazenamento. 

Esse não foi um avanço tecnológico isolado, o mesmo aconteceu com os mais diversos tipos de sensores, peças e materiais, o que possibilitou o desenvolvimento de equipamentos de altíssimo controle e precisão. Como resultado de todos esses avanços, os procedimentos estéticos ficaram muito mais eficientes e precisos. 

Sem dúvida alguma, a tecnologia passou a ser a grande aliada da indústria estética. No caso da depilação a laser, que demanda alta qualidade dos equipamentos, no que diz respeito à temperatura, energia e penetração, essa importância torna-se ainda mais notória e permeia toda a jornada do cliente, desde a aplicação do laser em si as soluções que aprimoram a experiência de compra, agendamento e realização do tratamento nas unidades, entre outras etapas. 

Os primeiros estudos sobre os efeitos do laser de baixa intensidade na medicina estética ocorreram na metade da década de 1970, e desde então houve uma evolução impressionante. Hoje, tanto os lasers de baixa potência quanto os de alta potência são utilizados com os mais diversos objetivos, como nos processos de cicatrização, depilação, eliminação de manchas, tratamento de queloides e cicatrizes hipertróficas e regeneração do colágeno, entre outros. 

No início do século 21, o aumento de investimentos em pesquisa e desenvolvimento e a criação de novos materiais, entre outras iniciativas da indústria, permitiram uma evolução acentuada, não somente no surgimento de novos equipamentos estéticos, como também em novos princípios ativos para cosméticos. 

Toda essa evolução acabou impulsionando o segmento como um todo e, a partir da segunda década do século, foi possível observar essas tecnologias cada vez mais acessíveis, de maneira que a oferta de tratamentos de beleza e estética pôde ser ampliada e democratizada. Foi quando a técnica migrou dos grandes centros para o interior e para locais mais distantes, tornando-se também mais próxima das pessoas.

São vários os polos tecnológicos espalhados pelo mundo que trouxeram essas evoluções. Os EUA, Israel, Coreia do Sul, além de alguns países europeus, vêm se consolidando no segmento. 

O que esperar para o futuro? 

O uso de inteligência artificial nos equipamentos possibilita a combinação de procedimentos estéticos de forma personalizada, além de potencializar os resultados. A integração dessa tecnologia com a internet das coisas permite a execução de procedimentos estéticos de forma autônoma. 

O uso da câmera de um celular, por exemplo, deverá se tornar algo comum não somente para avaliar nossa pele, como também para acompanhar medidas corporais e permitir que problemas de saúde sejam detectados e tratados de maneira precoce.

A constante evolução tecnológica oferece a possibilidade de desenvolvimento de novos equipamentos, com resultados cada vez mais eficazes. E, na mesma medida, poderemos desenvolver procedimentos menos invasivos, de forma a postergar ou até mesmo evitar procedimentos mais complexos, como as cirurgias. 

*Kilmer Lima, CEO e sócio-fundador da Vialaser

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas